logo easyjur azul

Blog

3 (7)

Prisão preventiva e temporária: tudo que você precisa saber

Picture of Por Danielle Fontoura

Por Danielle Fontoura

Menu do Conteúdo

Com certeza você já deve ter ouvido o termo de Prisão preventiva e temporária, porém, será que você conhece as verdadeiras diferenças e principais características que estas prisões apresentam? Caso a sua resposta seja não, não se preocupe! Nós da equipe EasyJur trouxemos este artigo, onde explicamos separadamente e em conjunto a Prisão preventiva e temporária, portanto, busque se atentar no mesmo!

Mas o que é prisão temporária?

Antes de falarmos sobre a Prisão preventiva e temporária em conjunto, é fundamental garantirmos que você conheça a definição de cada tipo de prisão, para assim, relacioná-las no mesmo contexto. Sendo assim, iniciaremos este artigo explicando as principais características por trás da prisão temporária, logo em seguida focaremos na prisão preventiva, e somente no final falaremos sobre as duas em conjunto.

Bom, pode-se dizer que a prisão temporária se trata de um tipo de prisão cautelar constitucionalmente recepcionada que ganhou grande fama e popularidade dos brasileiros durante os últimos anos. Existem dois tipos de prisões cautelares recepcionadas atualmente, os quais você já deve ter imaginado que são: Prisão preventiva e prisão temporária

Ainda vale dizer que, diferentemente do que muitas pessoas pensam, a prisão temporária na realidade se trata de uma prisão que busca atender investigações policiais, algo que pode ser encontrado dentro do inciso I do art. 1º da Lei 7.960/89.

Lei 7960/89

A prisão temporária é totalmente regulamentada e prevista pela Lei 7960/89, sendo uma das sua principais características, e para garantir que você realmente compreendeu todas as principais características desta prisão, separamos a sua legislação:

“Art. 1° Caberá prisão temporária:

 

I – quando imprescindível para as investigações do inquérito policial;

 

II – quando o indicado não tiver residência fixa ou não fornecer elementos necessários ao esclarecimento de sua identidade;

 

III – quando houver fundadas razões, de acordo com qualquer prova admitida na legislação penal, de autoria ou participação do indiciado nos seguintes crimes:

 

  1. a) homicídio doloso (art. 121, caput, e seu § 2°);

 

  1. b) seqüestro ou cárcere privado (art. 148, caput, e seus §§ 1° e 2°);

 

  1. c) roubo (art. 157, caput, e seus §§ 1°, 2° e 3°);

 

  1. d) extorsão (art. 158, caput, e seus §§ 1° e 2°);

 

  1. e) extorsão mediante seqüestro (art. 159, caput, e seus §§ 1°, 2° e 3°);

 

  1. f) estupro (art. 213, caput, e sua combinação com o art. 223, caput, e parágrafo único);    

      

  1. g) atentado violento ao pudor (art. 214, caput, e sua combinação com o art. 223, caput, e parágrafo único); 

 

  1. h) rapto violento (art. 219, e sua combinação com o art. 223 caput, e parágrafo único);   
  2. i) epidemia com resultado de morte);

 

  1. j) envenenamento de água potável ou substância alimentícia ou medicinal qualificada pela morte (art. 270, caput, combinado com art. 285);

 

  1. l) quadrilha ou bando (art. 288), todos do Código Penal;

 

  1. m) genocídio (arts. 1°, 2° e 3° da Lei n° 2.889, de 1° de outubro de 1956), em qualquer de sua formas típicas;

 

  1. n) tráfico de drogas;

 

  1. o) crimes contra o sistema financeiro;

 

  1. p) crimes previstos na Lei de Terrorismo.    

33 (6)

Art. 2° A prisão temporária será decretada pelo Juiz, em face da representação da autoridade policial ou de requerimento do Ministério Público, e terá o prazo de 5 (cinco) dias, prorrogável por igual período em caso de extrema e comprovada necessidade.

 

  • 1° Na hipótese de representação da autoridade policial, o Juiz, antes de decidir, ouvirá o Ministério Público.

 

  • 2° O despacho que decretar a prisão temporária deverá ser fundamentado e prolatado dentro do prazo de 24 (vinte e quatro) horas, contadas a partir do recebimento da representação ou do requerimento.

 

  • 3° O Juiz poderá, de ofício, ou a requerimento do Ministério Público e do Advogado, determinar que o preso lhe seja apresentado, solicitar informações e esclarecimentos da autoridade policial e submetê-lo a exame de corpo de delito.

 

  • 4° Decretada a prisão temporária, expedir-se-á mandado de prisão, em duas vias, uma das quais será entregue ao indiciado e servirá como nota de culpa.

 

  • 4º-A  O mandado de prisão conterá necessariamente o período de duração da prisão temporária estabelecido no caput deste artigo, bem como o dia em que o preso deverá ser libertado.   

 

  • 5° A prisão somente poderá ser executada depois da expedição de mandado judicial.

 

  • 6° Efetuada a prisão, a autoridade policial informará o preso dos direitos previstos no art. 5° da Constituição Federal.

 

  • 7º  Decorrido o prazo contido no mandado de prisão, a autoridade responsável pela custódia deverá, independentemente de nova ordem da autoridade judicial, pôr imediatamente o preso em liberdade, salvo se já tiver sido comunicada da prorrogação da prisão temporária ou da decretação da prisão preventiva. 

 

  • 8º  Inclui-se o dia do cumprimento do mandado de prisão no cômputo do prazo de prisão temporária.     

 

Art. 3° Os presos temporários deverão permanecer, obrigatoriamente, separados dos demais detentos.

 

Art. 4° O art. 4° da Lei n° 4.898, de 9 de dezembro de 1965, fica acrescido da alínea i, com a seguinte redação:

 

“Art. 4° ………………………………………………………

 

  1. i) prolongar a execução de prisão temporária, de pena ou de medida de segurança, deixando de expedir em tempo oportuno ou de cumprir imediatamente ordem de liberdade;”

 

Art. 5° Em todas as comarcas e seções judiciárias haverá um plantão permanente de vinte e quatro horas do Poder Judiciário e do Ministério Público para apreciação dos pedidos de prisão temporária.

 

Art. 6° Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

 

Art. 7° Revogam-se as disposições em contrário.”

E afinal, o que é a Prisão Preventiva?

Com isso, com certeza podemos afirmar que você já sabe o que é a prisão temporária, mas antes de podermos relacionar a mesma com a prisão, ainda é fundamental que você entenda o conceito e a aplicação por trás da prisão preventiva, já que explicamos somente uma parte do conteúdo base até o momento.

Sendo assim, é possível definir a prisão preventiva como um instrumento do juiz, o qual pode ser utilizado em um inquérito policial ou até mesmo na própria ação penal. Em outras palavras, a prisão preventiva se trata de um instrumento processual.

Existem diversas situações que podem trazer este tipo de prisão à tona, entretanto, de certo ela tende a ser mais utilizada antes da condenação do réu em ação penal ou até mesmo criminal. Também devemos citar que, em alguns casos, esta prisão acaba sendo decretada pelo próprio juiz. 

E como funciona sua aplicação?

A aplicação desta prisão também acaba sendo uma das principais dúvidas que atormentam toda a população brasileira em relação a nossa jurisdição, e por isso, seria impossível falar sobre a prisão preventiva sem citar exemplos práticos e os principais casos onde esta prisão acaba sendo solicitada e aplicada.

Pode-se adiantar que, para ser aplicada em um inquérito policial, primeiramente esta prisão deverá ser requisitada pelo Ministério Público ou por algum representante de autoridade policial. Por outro lado, quando a ação penal trata de um caso da área privada, como por exemplo, em crimes contra a honra, a prisão pode ser requerida pelo próprio querelante.

No mais, podemos citar algumas situações que aparecem no próprio Artigo 313 do nosso Código de Processo Penal, o qual norteia todos os casos onde esta prisão se torna uma alternativa, sendo os principais: 

  • Crimes inafiançáveis;
  • Crimes afiançáveis;
  • Crimes dolosos;
  • Se o crime envolver violência doméstica e familiar.

arrest handcuffs

Lei nº 5.349

Para complementar ainda mais os seus conhecimentos gerais sobre a prisão preventiva, é de extrema importância que conheça e observe por conta própria os seguintes artigos do nosso CPP, já que, como foi citado mais acima, os mesmos são responsáveis por fazer toda a regularização e validação deste tipo de prisão dentro do nosso território:

“Art. 311. Em qualquer fase do inquérito policial ou da instrução criminal, caberá a prisão preventiva decretada pelo juiz, de ofício, a requerimento do Ministério Público, ou do querelante, ou mediante representação da autoridade policial.

Art. 312. A prisão preventiva poderá ser decretada como garantia da ordem pública, por conveniência da instrução criminal ou para assegurar a aplicação da lei penal, quando houver prova de existência do crime e indícios suficientes da autoria.

Art. 313. A prisão preventiva poderá ser decretada:

 

I – nos crimes inafiançáveis;

 

II – nos crimes afiançáveis, quando se apurar no processo que o indiciado é vadio ou quando, havendo dúvida sôbre a sua identidade, não fornecer ou indicar elementos suficientes para esclarecê-la;

 

III – nos crimes dolosos, embora afiançáveis, quando o réu tiver sido condenado por crime da mesma natureza, em sentença transitada em julgado.

 

Art. 314. A prisão preventiva em nenhum caso será decretada se o juiz verificar pelas provas constantes dos autos ter o agente praticado o fato nas condições do art. 19, ns. I, II ou III do Código Penal.

Art. 315. O despacho que decretar ou denegar a prisão preventiva será sempre fundamentado.

Art. 316. O juiz poderá revogar a prisão preventiva se, no correr do processo verificar a falta de motivo para que subsista, bem como de novo decretá-la, se sobrevierem razões que a justifiquem”.

Prisão preventiva e temporária: Entenda as principais diferenças

Com isso, finalmente chegou o momento de falarmos sobre a Prisão preventiva e temporária em conjunto, e portanto, focaremos principalmente nas diferenças que existem entre estes dois tipos distintos.

Primeiramente podemos dizer que a legislação responsável por regularizar cada prisão é diferente, já que, a prisão temporária está prevista na Lei 7960/89, por outro lado, a prisão preventiva é aplicada pelo próprio Código de Processo Penal. Além disso, também devemos citar que os requisitos para a aplicação destas duas prisões são diferentes, algo que você já deve ter notado no decorrer do artigo acima.

Algo que também não poderia ficar de fora deste artigo é que a prisão temporária só se torna cabível no inquérito, contudo, a preventiva também pode ser decretada no próprio curso do processo. Por fim, mas não menos importante, também é importante ressaltarmos que a Prisão preventiva e temporária apresentam certa diferença nos prazos, já que a prisão temporária dura apenas cinco dias, os quais podem ser prolongados por mais 5, ou até mesmo de 30 dias, os quais podem ser prolongados por mais 30.

Porém, a prisão preventiva já não apresenta um prazo pré-definido, já que ela permanece enquanto as circunstâncias que embasaram sua decretação durarem. Com isso, finalmente podemos afirmar que você já sabe de tudo que diz respeito à Prisão preventiva e temporária.

 

3333 (6)

 

Nosso Compromisso com o seu sucesso

Pessoas

Conectamos advogados, simplificamos processos e impulsionamos a transformação digital

Processos

Com metodologia ágil, simplificamos a gestão e fortalecemos a justiça, gerando resultados exponenciais

Tecnologia

Automatizamos tarefas, impulsionamos a eficiência e oferecemos soluções inovadoras

pri vini easyjur

Planos Easyjur

O plano perfeito para você!

Solução completa para tornar sua Advocacia mais ágil e lucrativa

Growth Plus

Para grandes escritórios avançado
pague no cartão de crédito e ganhe até R$1.500 em cashback

R$

2799

/mês
200GB Docs em Nuvem
4.000 Processos Monitorados
05 Advogados Intimações
30 Usuários Inclusos
200.000 Tokens Juris.ai
20.000 Tokens Análise de Prazos e Elaboração de Propostas com IA
Conta Digital Grátis
TUDO DO GROWTH +
Suporte VIP
Editor Legal Design
Relatórios Avançados
Acesso para clientes ilimitado
Peticionamento Automático (em breve)
SmartDocs.ai Copilot (em breve)

Growth

Para médios escritórios em crescimento
pague no cartão de crédito e ganhe até R$1.000 em cashback

R$

1699

/mês
80GB Docs em Nuvem
2000 Processos Monitorados
03 Advogados Intimações
15 Usuários Inclusos
100.000 Tokens Juris.ai
8.000 Tokens Análise de Prazos e Elaboração de Propostas com IA
Conta Digital Grátis
TUDO DO STANDARD +
Legal Analytics Tool
Cálculos Monetários
Cobranças Personalizadas
Automação de Faturamento
Campos Personalizados
500 Acessos para clientes
EasyJur.ai Copilot (em breve)

Standard

Para médios escritórios
pague no cartão de crédito e ganhe até R$700 em cashback

R$

599

/mês
40GB Docs em Nuvem
800 Processos Monitorados
02 Advogados Intimações
10 Usuários Inclusos
50.000 Tokens Juris.ai
5.000 Tokens Análise de Prazos e Elaboração de Propostas com IA
Conta Digital Grátis
TUDO DO PREMIUM +
Workflow de Tarefas Ágil
Gamificação de Atividades
TimeSheet Dinâmico
Controle Orçamentário
Gestão Estratégica
200 Acessos para clientes
Assinatura Digital (em breve)

Premium

Pequenos Escritórios
pague no cartão de crédito e ganhe até R$500 em cashback

R$

389

/mês
30GB Docs em Nuvem
300 Processos Monitorados
01 Advogado Intimações
05 Usuários Inclusos
20.000 Tokens Juris.ai
3.000 Tokens Análise de Prazos e Elaboração de Propostas com IA
Conta Digital Grátis
TUDO DO START +
Gestão Financeira
Automação de Documentos
Demandas Consultivas
LCRM e Gerador de Propostas
100 Acessos para clientes
*Website Integrado Legal CRM
Captação de clientes com Google Ads (em breve)

Start

Advogados solo
pague no cartão de crédito e ganhe até R$300 em cashback

R$

129

/mês
5GB Docs em Nuvem
100 processos monitorados
01 Advogado Intimações
02 Usuários Inclusos
5.000 Tokens Juris.ai
1.000 Tokens Análise de Prazos com IA
Jurisprudências Integradas
Processos Ilimitados
Dashboard
Juris.ai
Agenda
Pessoas
Processos e Casos
Movimentações
Categorias
Materiais Gratuitos