Guarda compartilhada: Tudo que você precisa saber para ficar por dentro do assunto

1 (19)

09/12/2022

Sumário

A guarda compartilhada se tornou um dos assuntos mais comentados em todo o mundo nos últimos anos, principalmente no Brasil, algo que com certeza é influenciado pelo aumento no número dos divórcios. Como existem muitas dúvidas em relação a este assunto, nós da equipe EasyJur resolvemos separar e disponibilizar todas as principais informações referentes a guarda compartilhada no artigo a seguir.

O direito da criança e do adolescente

Algo que devemos começar citando, é que toda criança e adolescente possuem o direito à proteção por parte da família, da sociedade e até mesmo do Estado em si, algo protegido e garantido pela própria Constituição Federal. Quando vamos observar o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), em conjunto com o Código Civil, é possível notar que esta proteção se torna ainda mais ampla e focada neste público, já que diversas normas e regras são estabelecidas, além de levar em consideração inúmeras situações, como o divórcio dos pais.

Felizmente, todo o mundo anda apresentando um maior foco nos últimos anos em busca de potencializar a proteção à alienação parental e na aplicação da guarda compartilhada, que são duas alternativas que visam o interesse da própria criança ou adolescente, deixando um pouco mais de lado a opinião que os pais possuem e dando uma maior autoridade para os pequenos.

Vale dizer que não podemos falar sobre a guarda compartilhada sem comentarmos ao menos o básico dos direitos que a criança e o adolescente possuem, e por isso, resolvemos iniciar por tal tópico.

Mas afinal, o que é guarda compartilhada?

A guarda compartilhada está prevista no Código Civil, mais precisamente no artigo 1583, o qual diz que este tipo de guarda é definida pela responsabilidade conjunta dos pais que não vivem no mesmo teto em relação ao poder familiar dos seus filhos em comum.

Existem muitas regras, direitos e regulamentações que se dirigem diretamente à guarda compartilhada, como por exemplo, as situações em que a mesma pode ou não ser aplicada. Para resumir, podemos dizer que existem 2 situações em que impedem a aplicação da guarda compartilhada, que é quando um dos pais acaba abrindo mão da guarda do filho ou até mesmo quando não podem exercer o poder familiar.

Contudo, vale lembrar que em determinadas situações, a guarda pode ser devidamente alterada, algo que tende a acontecer quando há grandes e graves motivos, como por exemplo:

  • Alienação parental;
  • Comprovada incapacidade dos pais de criarem os filhos;
  • Perda ou suspensão do poder familiar;
  • Entre outros.

Conheça todos os tipos de guarda que existem no Brasil atualmente

Pode-se dizer que dentro do Brasil na atualidade, existem 2 tipos distintos de guarda, as quais são previstas pelo próprio Código Civil, sendo elas:

  • Guarda Unilateral: Como o próprio nome entrega, a guarda unilateral diz respeito a quando somente um dos pais ou algum outro responsável que substitua os mesmos fica com a guarda do filho. Vale dizer que nestes casos, o genitor que não possui a guarda do filho possui o direito de pedir informações sobre o seu filho ao responsável;
  • Guarda Compartilhada: Na guarda compartilhada, encontramos a situação onde ambas as partes possuem a responsabilidade da guarda pelo filho. Vale dizer que nesta parte, mesmo que separados, os pais deverão tomar decisões em conjunto com eles mesmos e com os filhos, visando o melhor para o seu futuro e garantindo que os interesses do menor serão a prioridade. 

Guarda compartilhada: É preciso pagar pensão?

Uma das maiores dúvidas referentes à guarda compartilhada que pode ser observada na atualidade, é em relação à pensão, já que a guarda compartilhada se refere diretamente a questões de criação e educação, entretanto, não se relaciona com a pensão alimentícia, a qual se trata de uma necessidade fundamental para os filhos.

Tendo isso em mente, podemos dizer que a guarda compartilhada não isenta os pais de sua obrigação em relação ao pagamento da pensão, entretanto, neste caso em específico, é possível que haja uma diminuição no valor da pensão, algo que irá variar de acordo com as necessidades dos filhos e com as condições financeiras dos pais, já que ambas as partes terão despesas com o menor.

 

Automatize suas demandas jurídicas para seu escritório lucrar 10x mais

teste de 14 dias

Automatize suas demandas jurídicas para seu escritório lucrar 10x mais

teste de 14 dias
Você também pode gostar
03/02/2023