Alienação Fiduciária: Entenda de uma vez por todas como este tipo de contrato funciona!

4 (10)

09/12/2022

Sumário

A cada dia que passa, torna-se ainda mais complicado obter crédito dentro do Brasil, o qual será destinado a realização de sonhos, como por exemplo, a obtenção de um imóvel próprio. Por conta disso, inúmeras alternativas estão sendo desenvolvidas na atualidade, como por exemplo, a alienação fiduciária.

Entretanto, mesmo com a presença de mais alternativas, não podemos dizer que a situação do Brasil melhorou, já que pouquíssimas pessoas realmente conhecem a definição, conceito, funcionamento e vantagens destas novas alternativas, e por isso, tendem a ficar por fora.

Pensando neste problema, e com o objetivo de auxiliar o povo brasileiro a conquistar o seu sonho e obter o seu próprio imóvel, nós da equipe EasyJur resolvemos separar e disponibilizar todas as principais informações referentes a alienação fiduciária, uma das alternativas mais vantajosas que existem na atualidade para o ganho de crédito para a aquisição de imóveis. Portanto, fique atento ao máximo no artigo a seguir.

Mas afinal, o que é alienação fiduciária?

Bom, podemos definir que a alienação fiduciária de algum imóvel se resume a uma garantia atribuída diretamente ao devedor, algo que irá deixar o dono do imóvel mais seguro em relação a sua venda. Essa garantia é feita com o imóvel que o comprador já possua, na qual o mesmo terá a sua propriedade transferida para o dono do imóvel que está à venda, e o outro imóvel do comprador só voltará para o seu nome após o pagamento total da dívida.

Mesmo que aparente ser algo estranho ou incomum, pode ter certeza que a alienação fiduciária é algo extremamente comum nos dias de hoje. Este procedimento é realizado em cartórios, sem a necessidade de um juiz presente, para assim, facilitar todo o processo.

Mas como funciona esta alienação?

Mesmo tendo uma definição e conceito simples, pode-se dizer que as maiores dúvidas referentes a alienação fiduciária são por conta do seu funcionamento, e por conta disso, resolvemos separar um tópico somente para falar sobre esta alienação na prática.

De maneira geral, o devedor deverá transferir alguns de seus bens para o credor, entretanto, o mesmo poderá continuar utilizado o seu bem normalmente. Quando a dívida for paga completamente, a garantia acaba, portanto, o bem é transferido de volta ao seu proprietário original. Entretanto, caso a dívida não seja paga, o credor poderá utilizar a garantia para realizar o pagamento da dívida, ou seja, o bem passará a ter a posse do credor, alienando o bem.

Existe alguma diferença entre hipoteca e alienação fiduciária?

Por se tratarem de dois termos bastante similares em sua definição, muitas pessoas acabam confundindo a hipoteca com a alienação fiduciária, algo que não pode continuar acontecendo, ainda mais se levarmos em consideração que os dois termos apresentam grandes diferenças na prática.

A hipoteca não obriga o devedor a realizar a transferência da propriedade de seu imóvel, diferentemente da alienação fiduciária, e por conta disso, a hipoteca possibilita que o mesmo imóvel seja hipotecado não por apenas por uma, mas sim por várias instituições. Também vale dizer que para realizar a hipoteca, o proprietário do imóvel deverá possuir a escritura pública do mesmo.

Conheça todas as vantagens que a alienação possui

Para finalizarmos com chave de ouro, não poderíamos deixar de citar sobre as principais vantagens que a alienação fiduciária apresenta, já que estas vantagens costumam auxiliar os indivíduos a escolherem se irão realizar a alienação ou a hipoteca, portanto, preste muita atenção neste tópico!

  • Garante que o devedor não se afundará em empréstimos, já que a alienação fiduciária só pode ser realizada uma vez (em simultaneidade) para cada imóvel;
  • Dispensa completamente a necessidade de escritura pública;
  • Há a possibilidade de ser realizada de forma extrajudicial;
  • O credor não terá posse total do imóvel, e por conta disso, o devedor pode continuar utilizando o seu imóvel enquanto paga as parcelas;
  • Com a alienação fiduciária, o credor fica inúmeras vezes mais seguro com o pagamento do devedor, já que a alienação pode ser considerada como uma proteção contra calotes;
  • Entre outros.

Com isso, se você se atentou a todas as informações citadas até o momento, podemos afirmar que você já está por dentro de todas as principais informações sobre a alienação fiduciária.

 

Automatize suas demandas jurídicas para seu escritório lucrar 10x mais

teste de 14 dias

Automatize suas demandas jurídicas para seu escritório lucrar 10x mais

teste de 14 dias
Você também pode gostar
03/02/2023