logo easyjur azul

Blog

5 (6)

A mãe pode negar a guarda compartilhada? Entenda os tipos de guarda

Picture of Por Easyjur

Por Easyjur

Menu do Conteúdo

É um fato que, na atualidade, as pesquisas relacionadas às principais características dos tipos de guarda que existem dentro do território brasileiro (ou seja, sobre a guarda unilateral e a guarda compartilhada) acabaram se tornando extremamente frequentes e recorrentes, mostrando que grande parte da população apresenta dúvidas e questionamentos ligados a estes tópicos. Dentre as pesquisas que mais se destacam, podemos citar a pesquisa referente a dúvida se a mãe pode negar a guarda compartilhada.

Na grande realidade, esta dúvida não domina somente a população brasileira que não participa ativamente do mercado jurídico, já que, quando vamos observar na prática, também existem muitos estudantes de direito e novos advogados que não sabem responder tal pergunta com precisão e exatidão.

Visando este problema, e com o intuito de acabar com esta dúvida de uma vez por todas, nós da equipe EasyJur resolvemos separar e disponibilizar todas as principais informações que conseguem responder se a mãe pode negar a guarda compartilhada, algo que poderá ser observado em todo o decorrer do artigo a seguir, portanto, recomendamos que você busque se atentar ao máximo no mesmo.

O que é a guarda compartilhada?

Bom, julgamos ser fundamental iniciar este artigo explicando o conceito e definição da guarda compartilhada. Mesmo sendo um tópico extremamente simples e que a grande maioria dos brasileiro já sabem, é um fato que dúvidas relacionadas a sua definição podem acarretar em problemas para entender tópicos mais aprofundados e extensos, como por exemplo, se a mãe pode negar a guarda compartilhada.

Portanto, este tópico é a porta de entrada para que você possa desenvolver uma ampla e sólida base de conhecimentos sobre o assunto, a qual lhe ajudará a se aprofundar no mesmo aos poucos com maior segurança.

Tendo isso em mente, pode-se definir a guarda compartilhada através do artigo 1583 do nosso Código de Processo Civil (CPC), o qual diz o seguinte: a guarda compartilhada trata-se do tipo de guarda que busca possibilitar com que ambos os pais participem ativamente do desenvolvimento e vida do filho.

Assim, ambos se tornam responsáveis (de forma conjunta) pelos filhos, ganhando diversos direitos e responsabilidades, como a de zelar e cuidar do bem estar, saúde, educação, diversão e todos os demais interesses da criança em si.

Também vale dizer que a guarda compartilhada acabou ganhando a classificação como o melhor tipo de guarda que existe dentro do Brasil para proporcionar um desenvolvimento saudável para a criança (pensando tanto nos aspectos físicos, quanto nos mentais e psíquicos), já que, mesmo de forma “separada”, a criança ainda terá contato com ambos os pais, mesmo após o divórcio. 

A partir disso, a legislação brasileira sempre busca trazer a torna este tipo de guarda para os casos que necessitam de intervenção judicial (ou seja, a presença de um juiz). Os pais sempre serão aconselhados a conversarem e escolherem a guarda compartilhada, somente em último caso, quando os ex-cônjuges não chegam neste devido acordo, a guarda unilateral se torna uma alternativa.

555 (8)

Mas afinal, a mãe pode negar a guarda compartilhada?

Na grande maioria dos casos, a guarda compartilhada sempre será a melhor opção, tanto para os pais que desejam se manter por perto enquanto os filhos crescem, quanto para a própria criança que terá um desenvolvimento mais saudável e tranquilo.

Contudo, não são todos os casos que a guarda compartilhada é uma possível opção para algum dos cônjuges, tanto por conta de vontade, quanto por demais problemas que podem ter acontecido durante o relacionamento dos ex-cônjuges. Com isso, muitos se perguntam se a mãe pode negar a guarda compartilhada.

Caso a mãe não queira optar pela guarda compartilhada, ela pode sim escolher a guarda unilateral. Contudo, deve-se atentar que, ao escolher a guarda unilateral, negando a guarda compartilhada, a mãe acabará ficando com a grande maioria das responsabilidades da criança, dificultando e muito o seu papel.

Infelizmente, este tópico acaba sendo muito complicado e delicado, e para entender completamente todas as opções e as melhores alternativas a serem seguidas, seja você o pai ou a mãe da criança, é fundamental buscar o auxílio de um profissional, explicar a sua situação e os seus objetivos.

Últimas alterações na lei da guarda compartilhada

A partir dos tópicos que separamos e citamos mais acima, é esperado que você já tenha conseguido compreender todas as principais informações por trás da guarda compartilhada, entretanto, durante os últimos anos, podemos observar que a legislação brasileira aprovou duas novas leis que alteram algumas características deste tipo de guarda.

Sendo assim, para este artio ser finalizado com chave de ouro, e realmente garantir que você já está por dentro de tudo que é necessário para entender se a mãe pode negar a guarda compartilhada, separamos breves citações das duas últimas leis que foram aprovadas e que alteram o funcionamento deste tipo de guarda, sendo elas:

broken family concept, divorce. child hands with broken paper cut fmily

11.698/2008

“Art. 1°  Os arts. 1.583 e 1.584 da Lei no 10.406, de 10 de janeiro de 2002 – Código Civil, passam a vigorar com a seguinte redação:

“Art. 1.583.  A guarda será unilateral ou compartilhada.

 

  • 1°  Compreende-se por guarda unilateral a atribuída a um só dos genitores ou a alguém que o substitua (art. 1.584, § 5o) e, por guarda compartilhada a responsabilização conjunta e o exercício de direitos e deveres do pai e da mãe que não vivam sob o mesmo teto, concernentes ao poder familiar dos filhos comuns.

 

  • 2°  A guarda unilateral será atribuída ao genitor que revele melhores condições para exercê-la e, objetivamente, mais aptidão para propiciar aos filhos os seguintes fatores:

 

I – afeto nas relações com o genitor e com o grupo familiar;

 

II – saúde e segurança;

 

III – educação.

 

  • 3°  A guarda unilateral obriga o pai ou a mãe que não a detenha a supervisionar os interesses dos filhos.

 

“Art. 1.584.  A guarda, unilateral ou compartilhada, poderá ser:

 

I – requerida, por consenso, pelo pai e pela mãe, ou por qualquer deles, em ação autônoma de separação, de divórcio, de dissolução de união estável ou em medida cautelar;

 

II – decretada pelo juiz, em atenção às necessidades específicas do filho, ou em razão da distribuição de tempo necessário ao convívio deste com o pai e com a mãe.

 

  • 1°  Na audiência de conciliação, o juiz informará ao pai e à mãe o significado da guarda compartilhada, a sua importância, a similitude de deveres e direitos atribuídos aos genitores e as sanções pelo descumprimento de suas cláusulas.

 

  • 2°  Quando não houver acordo entre a mãe e o pai quanto à guarda do filho, será aplicada, sempre que possível, a guarda compartilhada.

 

  • 3°  Para estabelecer as atribuições do pai e da mãe e os períodos de convivência sob guarda compartilhada, o juiz, de ofício ou a requerimento do Ministério Público, poderá basear-se em orientação técnico-profissional ou de equipe interdisciplinar.

 

  • 4°  A alteração não autorizada ou o descumprimento imotivado de cláusula de guarda, unilateral ou compartilhada, poderá implicar a redução de prerrogativas atribuídas ao seu detentor, inclusive quanto ao número de horas de convivência com o filho.

 

  • 5°  Se o juiz verificar que o filho não deve permanecer sob a guarda do pai ou da mãe, deferirá a guarda à pessoa que revele compatibilidade com a natureza da medida, considerados, de preferência, o grau de parentesco e as relações de afinidade e afetividade.” (NR)

 

Art. 2°  Esta Lei entra em vigor após decorridos 60 (sessenta) dias de sua publicação.”

13.058/2014

“Art. 1º Esta Lei estabelece o significado da expressão “guarda compartilhada” e dispõe sobre sua aplicação, para o que modifica os arts. 1.583, 1.584, 1.585 e 1.634 da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002 (Código Civil).

 

Art. 2º A Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002 (Código Civil), passa a vigorar com as seguintes alterações:

 

“Art. 1.583. ………………….;;;………………………………….

 

…………………………………………………………………………………

 

  • 2º Na guarda compartilhada, o tempo de convívio com os filhos deve ser dividido de forma equilibrada com a mãe e com o pai, sempre tendo em vista as condições fáticas e os interesses dos filhos.

 

I – (revogado);

 

II – (revogado);

 

III – (revogado).

 

  • 3º Na guarda compartilhada, a cidade considerada base de moradia dos filhos será aquela que melhor atender aos interesses dos filhos.

 

………………………………………………………………………………….

 

  • 5º A guarda unilateral obriga o pai ou a mãe que não a detenha a supervisionar os interesses dos filhos, e, para possibilitar tal supervisão, qualquer dos genitores sempre será parte legítima para solicitar informações e/ou prestação de contas, objetivas ou subjetivas, em assuntos ou situações que direta ou indiretamente afetem a saúde física e psicológica e a educação de seus filhos.” (NR)

 

“Art. 1.584. …………………………………………………………

 

…………………………………………………………………………………

 

  • 2º Quando não houver acordo entre a mãe e o pai quanto à guarda do filho, encontrando-se ambos os genitores aptos a exercer o poder familiar, será aplicada a guarda compartilhada, salvo se um dos genitores declarar ao magistrado que não deseja a guarda do menor.

 

  • 3º Para estabelecer as atribuições do pai e da mãe e os períodos de convivência sob guarda compartilhada, o juiz, de ofício ou a requerimento do Ministério Público, poderá basear-se em orientação técnico-profissional ou de equipe interdisciplinar, que deverá visar à divisão equilibrada do tempo com o pai e com a mãe…”

Com isso, finalmente podemos afirmar que você já está por dentro de todas as principais informações que são necessárias para compreender o que é e como a guarda compartilhada funciona, e mais importante, para entender se a mãe pode negar a guarda compartilhada.

5555 (5)

Nosso Compromisso com o seu sucesso

Pessoas

Conectamos advogados, simplificamos processos e impulsionamos a transformação digital

Processos

Com metodologia ágil, simplificamos a gestão e fortalecemos a justiça, gerando resultados exponenciais

Tecnologia

Automatizamos tarefas, impulsionamos a eficiência e oferecemos soluções inovadoras

pri vini easyjur

Planos Easyjur

O plano perfeito para você!

Solução completa para tornar sua Advocacia mais ágil e lucrativa

Growth Plus

Para grandes escritórios avançado
pague no cartão de crédito e ganhe até R$1.500 em cashback

R$

2799

/mês
200GB Docs em Nuvem
4.000 Processos Monitorados
05 Advogados Intimações
30 Usuários Inclusos
200.000 Tokens Juris.ai
20.000 Tokens Análise de Prazos e Elaboração de Propostas com IA
Conta Digital Grátis
TUDO DO GROWTH +
Suporte VIP
Editor Legal Design
Relatórios Avançados
Acesso para clientes ilimitado
Peticionamento Automático (em breve)
SmartDocs.ai Copilot (em breve)

Growth

Para médios escritórios em crescimento
pague no cartão de crédito e ganhe até R$1.000 em cashback

R$

1699

/mês
80GB Docs em Nuvem
2000 Processos Monitorados
03 Advogados Intimações
15 Usuários Inclusos
100.000 Tokens Juris.ai
8.000 Tokens Análise de Prazos e Elaboração de Propostas com IA
Conta Digital Grátis
TUDO DO STANDARD +
Legal Analytics Tool
Cálculos Monetários
Cobranças Personalizadas
Automação de Faturamento
Campos Personalizados
500 Acessos para clientes
EasyJur.ai Copilot (em breve)

Standard

Para médios escritórios
pague no cartão de crédito e ganhe até R$700 em cashback

R$

599

/mês
40GB Docs em Nuvem
800 Processos Monitorados
02 Advogados Intimações
10 Usuários Inclusos
50.000 Tokens Juris.ai
5.000 Tokens Análise de Prazos e Elaboração de Propostas com IA
Conta Digital Grátis
TUDO DO PREMIUM +
Workflow de Tarefas Ágil
Gamificação de Atividades
TimeSheet Dinâmico
Controle Orçamentário
Gestão Estratégica
200 Acessos para clientes
Assinatura Digital (em breve)

Premium

Pequenos Escritórios
pague no cartão de crédito e ganhe até R$500 em cashback

R$

389

/mês
30GB Docs em Nuvem
300 Processos Monitorados
01 Advogado Intimações
05 Usuários Inclusos
20.000 Tokens Juris.ai
3.000 Tokens Análise de Prazos e Elaboração de Propostas com IA
Conta Digital Grátis
TUDO DO START +
Gestão Financeira
Automação de Documentos
Demandas Consultivas
LCRM e Gerador de Propostas
100 Acessos para clientes
*Website Integrado Legal CRM
Captação de clientes com Google Ads (em breve)

Start

Advogados solo
pague no cartão de crédito e ganhe até R$300 em cashback

R$

129

/mês
5GB Docs em Nuvem
100 processos monitorados
01 Advogado Intimações
02 Usuários Inclusos
5.000 Tokens Juris.ai
1.000 Tokens Análise de Prazos com IA
Jurisprudências Integradas
Processos Ilimitados
Dashboard
Juris.ai
Agenda
Pessoas
Processos e Casos
Movimentações
Categorias
Materiais Gratuitos