Pensão alimentícia: entenda mais sobre este direito

pensão alimentícia

12/05/2023

Sumário

Inúmeros assuntos e tópicos relacionados ao mundo jurídico e de direito começaram a ganhar uma maior atenção durante os últimos anos, algo que apresenta diversas fontes e origens distintas, mas com certeza o crescimento em si deste mundo e mercado são uma das principais causas. Dentre os assuntos que estão em alta, podemos citar a Pensão alimentícia, mostrando que toda a população brasileira está apresentando uma maior preocupação e interesse por este tema em específico.

 

Infelizmente, mesmo com milhares de pesquisas sendo realizadas todos os dias, não podemos negar o fato de que, na grande maioria dos casos, as dúvidas iniciais dos indivíduos não são respondidas, e por isso, os mesmos acabam tendo problemas quando necessitam lidar com situações reais que envolvem a Pensão alimentícia.

 

Pensando neste problema, e com o objetivo de resolvê-lo de uma vez por todas, e assim, auxiliar milhares de brasileiros, nós da equipe EasyJur resolvemos separar e disponibilizar todas as principais informações relacionadas a Pensão alimentícia, algo que você poderá observar no decorrer do artigo abaixo, portanto, busque se atentar ao máximo no mesmo.

Mas afinal, o que é Pensão alimentícia?

Para começar, iniciaremos falando sobre a definição e conceito por trás da Pensão alimentícia, para que assim, você possa desenvolver uma ampla e sólida base de conhecimentos referente ao assunto, e consequentemente, possa se aprofundar no mesmo posteriormente conforme o decorrer deste artigo, sem gerar ainda mais dúvidas.

 

Bom, é possível definir a Pensão alimentícia como um direito, o qual está devidamente previsto em nosso Código Civil, mais precisamente em meio aos artigos de número 1694 a 1710. Este direito busca garantir que parentes, companheiros, cônjuges ou responsáveis peçam e solicitem a outra parte um determinado auxílio financeiro, para que assim, consigam apresentar uma condição satisfatória para se alimentar, estudar, vestir e demais necessidades básicas e fundamentais.

 

Ou seja, o principal objetivo da Pensão alimentícia é possibilitar e entregar um auxílio para o indivíduo requerente ter condições financeiras para conseguir viver com todas as suas necessidades básicas em relação a sua própria realidade social.

 

E como a Pensão alimentícia funciona na prática?

Embora a grande maioria dos casos seja referente a pensão alimentícia de pais que chegaram a separação (divórcio) em determinado momento, com o intuito da parte requerente ter o auxílio financeiro do ex-cônjuge para a criação do filho, é importante ressaltar que esta não é a única situação na qual a Pensão alimentícia pode ser solicitada e entregue.

 

Na grande realidade, este direito pode ser solicitado por cônjuges, parentes ou até mesmo companheiros, desde que seja apresentada uma comprovação da necessidade de uma renda extra para a sobrevivência do requerente.

 

Também é extremamente importante ressaltarmos que, apesar do nome “Pensão alimentícia”, este direito não envolve somente o dinheiro necessário para a alimentação, mas sim para atender todos os requisitos necessários para o requerente ter um modo de vida compatível com a sua condição social, atendendo assim, todas as suas necessidades básicas. Sendo assim, a Pensão alimentícia também pode ser utilizada para custear a saúde, o lazer, as vestimentas, a educação e muito mais!

Punições para a falta de pagamento da Pensão alimentícia

A falta do pagamento da Pensão alimentícia também é um tópico extremamente abordado na atualidade, e por isso, não poderia ficar de fora deste artigo. Bom, nos casos que o alimentante não cumpre com o que for estipulado na sentença ou no título executivo judicial, ou seja, deixa de pagar o valor determinado e devido, o mesmo poderá receber punições.

 

Existem diversas punições que acabam se tornando uma realidade quando o alimentante nega o pagamento de suas obrigações relacionadas a Pensão alimentícia, como por exemplo:

 

  • Negativação do seu nome dentro das instituições financeiras de crédito, como o próprio Serasa e até mesmo o Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC);
  • Penhora de bens para a realização do pagamento da dívida;
  • Prisão civil, com um prazo máximo de três meses em regime fechado;
  • Entre outros.

Conheça a principal legislação por trás da Pensão Alimentícia

Com isso, finalmente podemos afirmar que você já está por dentro de todas as principais informações relacionadas a Pensão alimentícia, e portanto, poderíamos finalizar este artigo agora mesmo. Contudo, como observado mais acima, o Código Civil é o principal responsável por regulamentar e criar todas as normas que constituem e possibilitam a existência desta pensão.

 

Tendo isso em mente, devemos ressaltar que é extremamente importante que você conheça a fundo toda a legislação por trás da Pensão alimentícia, para que assim, você realmente compreenda todos os seus requisitos, características, funcionamento e muito mais. 

 

Para lhe ajudar, nós mesmos fomos em busca dos artigos 1694 a 1710 do nosso Código Civil, algo que você poderá observar logo abaixo, portanto,. busque se atentar ao máximo no mesmo:

 

pensão alimentícia

“Art. 1.694. Podem os parentes, os cônjuges ou companheiros pedir uns aos outros os alimentos de que necessitem para viver de modo compatível com a sua condição social, inclusive para atender às necessidades de sua educação.

 

  • 1º Os alimentos devem ser fixados na proporção das necessidades do reclamante e dos recursos da pessoa obrigada.
  • 2º Os alimentos serão apenas os indispensáveis à subsistência, quando a situação de necessidade resultar de culpa de quem os pleiteia.

 

Art. 1.695. São devidos os alimentos quando quem os pretende não tem bens suficientes, nem pode prover, pelo seu trabalho, à própria mantença, e aquele, de quem se reclamam, pode fornecê-los, sem desfalque do necessário ao seu sustento.

 

Art. 1.696. O direito à prestação de alimentos é recíproco entre pais e filhos, e extensivo a todos os ascendentes, recaindo a obrigação nos mais próximos em grau, uns em falta de outros.

 

Art. 1.697. Na falta dos ascendentes cabe a obrigação aos descendentes, guardada a ordem de sucessão e, faltando estes, aos irmãos, assim germanos como unilaterais.

 

Art. 1.698. Se o parente, que deve alimentos em primeiro lugar, não estiver em condições de suportar totalmente o encargo, serão chamados a concorrer os de grau imediato; sendo várias as pessoas obrigadas a prestar alimentos, todas devem concorrer na proporção dos respectivos recursos, e, intentada ação contra uma delas, poderão as demais ser chamadas a integrar a lide. Art. 1.699. Se, fixados os alimentos, sobrevier mudança na situação financeira de quem os supre, ou na de quem os recebe, poderá o interessado reclamar ao juiz, conforme as circunstâncias, exoneração, redução ou majora ção do encargo.

 

Art. 1.700. A obrigação de prestar alimentos transmite-se aos herdeiros do devedor, na forma do art. 1.694.

 

Art. 1.701. A pessoa obrigada a suprir alimentos poderá pensionar o alimentando, ou dar-lhe hospedagem e sustento, sem prejuízo do dever de prestar o necessário à sua educação, quando menor.

 

Parágrafo único. Compete ao juiz, se as circunstâncias o exigirem, fixar a forma do cumprimento da prestação.

 

Art. 1.702. Na separação judicial litigiosa, sendo um dos cônjuges inocente e desprovido de recursos, prestar-lhe-á o outro a pensão alimentícia que o juiz fixar, obedecidos os critérios estabelecidos no art. 1.694.

 

Art. 1.703. Para a manutenção dos filhos, os cônjuges separados judicial-mente contribuirão na proporção de seus recursos.

 

Art. 1.704. Se um dos cônjuges separados judicialmente vier a necessitar de alimentos, será o outro obrigado a prestá-los mediante pensão a ser fixada pelo juiz, caso não tenha sido declarado culpado na ação de separação judicial.

 

Parágrafo único. Se o cônjuge declarado culpado vier a necessitar de alimentos, e não tiver parentes em condições de prestá-los, nem aptidão para o trabalho, o outro cônjuge será obrigado a assegurá-los, fixando o juiz o valor indispensável à sobrevivência.

 

Art. 1.705. Para obter alimentos, o filho havido fora do casamento pode acionar o genitor, sendo facultado ao juiz determinar, a pedido de qualquer das partes, que a ação se processe em segredo de justiça.

 

Art. 1.706. Os alimentos provisionais serão fixados pelo juiz, nos termos da lei processual.

 

Art. 1.707. Pode o credor não exercer, porém lhe é vedado renunciar o direito a alimentos, sendo o respectivo crédito insuscetível de cessão, compensação ou penhora.

 

Art. 1.708. Com o casamento, a união estável ou o concubinato do credor, cessa o dever de prestar alimentos.

 

Parágrafo único. Com relação ao credor cessa, também, o direito a alimentos, se tiver procedimento indigno em relação ao devedor.

 

Art. 1.709. O novo casamento do cônjuge devedor não extingue a obrigação constante da sentença de divórcio.

 

Art. 1.710. As prestações alimentícias, de qualquer natureza, serão atualizadas segundo índice oficial regularmente estabelecido.”

Agora sim, é um fato que você já está completamente por dentro de todas as principais informações relacionadas a Pensão alimentícia, portanto, é esperado que já consiga lidar com os processos ou questões que envolvem tal assunto. Se ainda restarem dúvidas relacionadas a esta pensão ou até mesmo relacionadas a qualquer outro assunto jurídico, você pode realizar consultas nos demais artigos da EasyJur, para assim, sanar seus questionamentos.

Automatize suas demandas jurídicas para seu escritório lucrar 10x mais
teste de 14 dias
Automatize suas demandas jurídicas para seu escritório lucrar 10x mais
teste de 14 dias