logo mes do consumidor

30% OFF nos planos

+ 20% OFF na implantação estratégica

Para aproveitar o ÚNICO SOFTWARE JURÍDICO com IA de verdade

Blog

4 (4)

Espólio e inventário: entenda estes dois processos

Por Easyjur

Por Easyjur

Bom, é inegável o fato de que a grande maioria dos cidadãos brasileiros acabam confundindo os termos de espólio e inventário, já que ambos se tratam de processos bem parecidos e que trabalham juntos, entretanto, quando realmente vamos analisar de perto, estas confusões podem trazer grandes problemas.

Infelizmente, mesmo com o grande avanço da tecnologia e internet, ainda existem pouquíssimas plataformas e sites confiáveis que entregam informações seguras e verdadeiras relacionadas ao mundo jurídico, e por isso, as confusões e dúvidas relacionadas ao espólio e inventário continuam aumentando a cada dia que passa.

Para dar um fim a este problema, nós da equipe EasyJur resolvemos separar todas as principais informações que explicam e definem o espólio e o inventário no artigo abaixo, portanto, recomendamos que você se atente ao máximo!

Mas afinal, o que é espólio

Antes de tudo, é fundamental explicarmos a definição, importância e funcionamento do espólio, para que assim, você possa desenvolver uma base ampla e sólida de informações em relação ao assunto, algo que possibilitará o seu aprofundamento no mesmo, sem gerar o risco de desenvolver maiores dúvidas e questionamentos. Com essa base, você ficará capacitado para entender a relação entre o espólio e o inventário sem problemas.

Sendo assim, podemos definir o espólio como todo o conjunto de bens, direitos e até mesmo obrigações que foram deixados por um indivíduo logo após o seu falecimento. Quando vamos observar a legislação brasileira, notamos que o termo “espólio” passou a ser utilizado para nomear todos os bens que uma pessoa deixa para os seus herdeiros após a sua morte.

Para que você possa entender ainda melhor o funcionamento do espólio, separamos todos os possíveis ativos e passivos que podem compor o patrimônio do falecido, e consequentemente, o seu espólio, sendo eles:

  • Propriedades;
  • Dinheiro;
  • Investimentos;
  • Veículos;
  • Móveis;
  • Joias.

Muitas pessoas acabam confundindo os termos de espólio e inventário, porém explicaremos as suas principais diferenças mais abaixo. Para lhe adiantar uma diferença bem significativa, podemos dizer que, para chegarmos ao espólio, é necessário primeiramente descontar todos os valores das dívidas e seus impostos, financiamentos, empréstimos, entre outros valores devidos pelo falecido. Após estes descontos, caso o saldo resultante for positivo, os herdeiros irão precisar de um inventário judicial para determinar quanto cada herdeiro vai receber, e assim que o inventário for concluído, poderá ser realizada a partilha de bens.

a group of multinational busy people working in the office

Em outras palavras, podemos definir o espólio do falecido, como todo o conjunto de bens, direitos, obrigações e dívidas que foram deixados pelo mesmo, e assim, são destinados aos seus herdeiros e beneficiários legais. Até o momento em que o inventário for concluído, um determinado indivíduo deverá ser o representante legal de tudo aquilo que pertencia ao falecido.

Entenda a diferença entre espólio e inventário

Como citado mais acima, grande parte da população brasileira acaba criando confusões entre o termo de espólio e inventário, e para solucionar este problema, trouxemos este tópico. De maneira geral, podemos definir o inventário como o procedimento legal que busca levantar, administrar e dividir todos os bens do espólio entre os herdeiros do falecido.

Assim, o inventário pode ser realizado de forma judicial ou extrajudicial. Após esta explicação, deve ter ficado claro que, primeiramente é realizado o espólio, e logo em seguida, vem o inventário.

Entenda a diferença entre espólio e herança

Também devemos comentar que, muitas vezes, a população brasileira também acaba desenvolvendo confusões entre o espólio e a herança, e por isso, é fundamental explicarmos as principais diferenças entre estes dois termos.

Bom, o espólio se trata de todo o patrimônio que foi deixado pelo falecido e será dividido entre os herdeiros em meio ao processo de inventário. Por outro lado, a herança se trata de todo o conjunto de bens que cada herdeiro irá receber no final deste processo.

Observe a legislação por trás do espólio e do inventário

Para finalizar este artigo com chave de ouro, e assim, realmente garantir que você está por dentro de todas as informações necessárias para compreender o espólio e o inventário, resolvemos trazer este tópico, no qual separamos uma breve citação do nosso Código de Processo Civil, a que é o principal responsável por regulamentar o espólio em si.

“Art. 771. Este Livro regula o procedimento da execução fundada em título extrajudicial, e suas disposições aplicam-se, também, no que couber, aos procedimentos especiais de execução, aos atos executivos realizados no procedimento de cumprimento de sentença, bem como aos efeitos de atos ou fatos processuais a que a lei atribuir força executiva.

Parágrafo único. Aplicam-se subsidiariamente à execução as disposições do Livro I da Parte Especial.

 

 Art. 772. O juiz pode, em qualquer momento do processo:

 

I – ordenar o comparecimento das partes;

 

II – advertir o executado de que seu procedimento constitui ato atentatório à dignidade da justiça;

 

III – determinar que sujeitos indicados pelo exequente forneçam informações em geral relacionadas ao objeto da execução, tais como documentos e dados que tenham em seu poder, assinando-lhes prazo razoável.

 

 Art. 773. O juiz poderá, de ofício ou a requerimento, determinar as medidas necessárias ao cumprimento da ordem de entrega de documentos e dados.

 

Parágrafo único. Quando, em decorrência do disposto neste artigo, o juízo receber dados sigilosos para os fins da execução, o juiz adotará as medidas necessárias para assegurar a confidencialidade.

 Art. 774. Considera-se atentatória à dignidade da justiça a conduta comissiva ou omissiva do executado que:

444 (3)

I – frauda a execução;

 

II – se opõe maliciosamente à execução, empregando ardis e meios artificiosos;

 

III – dificulta ou embaraça a realização da penhora;

 

IV – resiste injustificadamente às ordens judiciais;

 

V – intimado, não indica ao juiz quais são e onde estão os bens sujeitos à penhora e os respectivos valores, nem exibe prova de sua propriedade e, se for o caso, certidão negativa de ônus.

 

Parágrafo único. Nos casos previstos neste artigo, o juiz fixará multa em montante não superior a vinte por cento do valor atualizado do débito em execução, a qual será revertida em proveito do exequente, exigível nos próprios autos do processo, sem prejuízo de outras sanções de natureza processual ou material.

 

 Art. 775. O exequente tem o direito de desistir de toda a execução ou de apenas alguma medida executiva.

 

Parágrafo único. Na desistência da execução, observar-se-á o seguinte:

 

I – serão extintos a impugnação e os embargos que versarem apenas sobre questões processuais, pagando o exequente as custas processuais e os honorários advocatícios;

 

II – nos demais casos, a extinção dependerá da concordância do impugnante ou do embargante.

 

 Art. 776. O exequente ressarcirá ao executado os danos que este sofreu, quando a sentença, transitada em julgado, declarar inexistente, no todo ou em parte, a obrigação que ensejou a execução.

 

 Art. 777. A cobrança de multas ou de indenizações decorrentes de litigância de má-fé ou de prática de ato atentatório à dignidade da justiça será promovida nos próprios autos do processo.

 

CAPÍTULO II

DAS PARTES

 Art. 778. Pode promover a execução forçada o credor a quem a lei confere título executivo.

 

  • 1º Podem promover a execução forçada ou nela prosseguir, em sucessão ao exequente originário:

 

I – o Ministério Público, nos casos previstos em lei;

 

II – o espólio, os herdeiros ou os sucessores do credor, sempre que, por morte deste, lhes for transmitido o direito resultante do título executivo;

 

III – o cessionário, quando o direito resultante do título executivo lhe for transferido por ato entre vivos;

 

IV – o sub-rogado, nos casos de sub-rogação legal ou convencional.

 

  • 2º A sucessão prevista no § 1º independe de consentimento do executado.

 

 Art. 779. A execução pode ser promovida contra:

 

I – o devedor, reconhecido como tal no título executivo;

 

II – o espólio, os herdeiros ou os sucessores do devedor;

 

III – o novo devedor que assumiu, com o consentimento do credor, a obrigação resultante do título executivo;

 

IV – o fiador do débito constante em título extrajudicial;

 

V – o responsável titular do bem vinculado por garantia real ao pagamento do débito;

 

VI – o responsável tributário, assim definido em lei.

 

 Art. 780. O exequente pode cumular várias execuções, ainda que fundadas em títulos diferentes, quando o executado for o mesmo e desde que para todas elas seja competente o mesmo juízo e idêntico o procedimento.

CAPÍTULO III

DA COMPETÊNCIA

Art. 781. A execução fundada em título extrajudicial será processada perante o juízo competente, observando-se o seguinte:

 

I – a execução poderá ser proposta no foro de domicílio do executado, de eleição constante do título ou, ainda, de situação dos bens a ela sujeitos;

 

II – tendo mais de um domicílio, o executado poderá ser demandado no foro de qualquer deles;

 

III – sendo incerto ou desconhecido o domicílio do executado, a execução poderá ser proposta no lugar onde for encontrado ou no foro de domicílio do exequente;

 

IV – havendo mais de um devedor, com diferentes domicílios, a execução será proposta no foro de qualquer deles, à escolha do exequente;

 

V – a execução poderá ser proposta no foro do lugar em que se praticou o ato ou em que ocorreu o fato que deu origem ao título, mesmo que nele não mais resida o executado.

 

 Art. 782. Não dispondo a lei de modo diverso, o juiz determinará os atos executivos, e o oficial de justiça os cumprirá.

 

  • 1º O oficial de justiça poderá cumprir os atos executivos determinados pelo juiz também nas comarcas contíguas, de fácil comunicação, e nas que se situem na mesma região metropolitana.

 

  • 2º Sempre que, para efetivar a execução, for necessário o emprego de força policial, o juiz a requisitará.

 

  • 3º A requerimento da parte, o juiz pode determinar a inclusão do nome do executado em cadastros de inadimplentes.

 

  • 4º A inscrição será cancelada imediatamente se for efetuado o pagamento, se for garantida a execução ou se a execução for extinta por qualquer outro motivo.

 

  • 5º O disposto nos §§ 3º e 4º aplica-se à execução definitiva de título judicial…”

Com isso, agora sim podemos afirmar que você já está por dentro das principais informações ligadas ao espólio e ao inventário.

4444 (4)

 

 

Nosso Compromisso

com o seu sucesso

Pessoas

Conectamos advogados, simplificamos processos e impulsionamos a transformação digital

Processos

Com metodologia ágil, simplificamos a gestão e fortalecemos a justiça, gerando resultados exponenciais

Tecnologia

Automatizamos tarefas, impulsionamos a eficiência e oferecemos soluções inovadoras

pri vini easyjur

Planos Easyjur

O plano perfeito para você!

Solução completa para tornar sua Advocacia mais ágil e lucrativa

Growth Plus

Ideal para grandes escritórios

R$

2499

/mês
checkmark m
200GB Docs em Nuvem
checkmark m
2.500 Pushs de Andamentos
checkmark m
05 Advogados Intimações
checkmark m
20 Usuários Inclusos
checkmark m
TUDO DO GROWTH
checkmark m
Editor Legal Design
checkmark m
Website Integrado Legal CRM
checkmark m
Relatórios Avançados
checkmark m
Acesso para clientes ilimitado
checkmark m
Jurisprudências Integradas
checkmark m
Smart Docs (breve)*
checkmark m
Assinatura Digital (breve)*
checkmark m
Peticionamento (breve)*

Growth

Ideal para grandes escritórios

R$

1499

/mês
checkmark m
80GB Docs em Nuvem
checkmark m
800 Pushs de Andamentos
checkmark m
03 Advogados Intimações
checkmark m
10 Usuários Inclusos
checkmark m
TUDO DO ENTERPRISE +
checkmark m
IVO – Inteligência Artificial
checkmark m
Legal Analytics Tool
checkmark m
Cálculos Monetários
checkmark m
Regras Cobrança Personalizadas
checkmark m
Automação Faturamento
checkmark m
Campos Personalizados
checkmark m
Acesso para 300 clientes
checkmark m
Jurisprudências Integradas

Enterprise

Ideal para escritórios de médio porte

R$

589

/mês
checkmark m
40GB Docs em Nuvem
checkmark m
300 Push de Andamentos
checkmark m
02 Advogados Intimações
checkmark m
05 Usuários Inclusos
checkmark m
TUDO DO PREMIUM +
checkmark m
Workflow de Tarefas Ágil
checkmark m
Gamificação de Atividades
checkmark m
TimeSheet Dinâmico
checkmark m
Controle Orçamentário
checkmark m
Gestão Estratégica
checkmark m
** Emissão de Boletos e NFs
checkmark m
Área de acesso para 200 Clientes
checkmark m
Jurisprudências Integradas

Premium

Ideal para escritórios de pequeno porte

R$

279

/mês
checkmark m
30GB Docs em Nuvem
checkmark m
200 Push de Andamentos
checkmark m
01 Advogado Intimações
checkmark m
02 Usuários Inclusos
checkmark m
** Telefonia Voip EasyCall
checkmark m
Gestão de Processos Ilimitados
checkmark m
Gestão Financeira
checkmark m
Automação de Documentos
checkmark m
Agenda de Prazos
checkmark m
Demandas Consultivas
checkmark m
Legal CRM
checkmark m
Contratos e Relatórios
checkmark m
Área de Acesso para 100 Clientes
checkmark m
Jurisprudências Integradas

Start

Ideal para advogados solo

R$

79

/mês
checkmark m
5GB Docs em Nuvem
checkmark m
50 Push de Andamentos
checkmark m
01 Advogado Intimações
checkmark m
01 Usuário Incluso
checkmark m
Cadastro de Clientes
checkmark m
Gestão de Processos
checkmark m
Agenda de Prazos
checkmark m
Cadastro de até 200 Processos
Espólio e inventário: entenda estes dois processos
4 (4)

08/09/2023

Sumário

Automatize suas demandas jurídicas para seu escritório lucrar 10x mais
teste de 14 dias
Automatize suas demandas jurídicas para seu escritório lucrar 10x mais
teste de 14 dias
Você também pode gostar
plugins premium WordPress
Categorias
Materiais Gratuitos