logo mes do consumidor

30% OFF nos planos

+ 20% OFF na implantação estratégica

Para aproveitar o ÚNICO SOFTWARE JURÍDICO com IA de verdade

Blog

[MODELO] Resposta – Tóxicos – Procedimento da Lei n.º 10.40000, de 11 – 01 – 02

RESPOSTA – TÓXICOS – PROCEDIMENTO DA LEI N.º 10.40000, DE 11-01-02

Exmo. Sr. Dr. Juiz de Direito da Comarca de ……………………………………….

Processo n.º ……

(nome dos acusados), qualificados nos autos acima, por seu procurador, nos termos e no prazo do artigo 38 da Lei n.º 10.40000, de 11 de janeiro de 2012, vêm à presença de V. Exa. ofertar sua RESPOSTA o que o fazem pelos fatos e fundamentos seguintes:

Imputa-se ao acusado ……. o crime previsto no artigo 12 da Lei n.º 6.368/76, e ao acusado …… o crime previsto no artigo 12, § 2.º, III, também da Lei n.º 6.368/76.

Segundo se extrai da denúncia a imputação fática ao acusado …. é de que o mesmo teria vendido à acusada …., e esta adquirido daquele, cerca de dez dias antes de prisão desta, uma porção de droga (maconha) pela quantia de dez reais.

Ao acusado …. a imputação de fato é de que o mesmo teria incentivado e difundido e uso indevido da droga, porquanto teria, segundo a denúncia, juntamente com a acusada …., convidado os demais presentes para fumar maconha, que seria fornecida pela acusada …..

Tais imputações decorrem única e exclusivamente das declarações da acusada ….. quando de seu interrogatório formal pelo Delegado de Polícia que presidiu o auto de prisão em flagrante.

A imputações não são verdadeiras, devendo a denúncia ser julgada improcedente e os acusados, aqui defendentes, serem absolvidos.

PRELIMINARMENTE,

NULIDADE DO PROCESSO – Com a modificação da Lei n.º 6.368/76 mercê do advento da Lei n.º 10.40000/02 instituiu-se a defesa preliminar que antecede ao interrogatório do acusado, oportunidade em que o acusado oferta defesa prévia e exceções.

Instituído o direito de defesa prévia, mister se faz que a prova da materialidade da infração imputada esteja estabelecida formalmente no processo, ou seja, deve estar no processo o laudo de exame toxicológico do material apreendido, sob pena de nulidade, porquanto, nos termos do artigo 158 do CPP, nem mesmo a confissão do acusado pode suprir o exame pericial.

Há cerceamento da defesa do acusado, eis que não há como o acusado se defender sem que o processo esteja devidamente instruído com o indigitado laudo, sendo irrelevante a existência de laudo provisório ou de constatação.

Deste modo, deve o processo ser declarado nulo até então por falta do laudo de exame toxicológico definitivo.

INÉPCIA DA DENÚNCIA – A denúncia é nula por ausência de pressuposto processual, nos termos do artigo 3000 da Lei n.º 10.40000/02, eis que ausente o laudo de exame toxicológico definitivo.

A imputação se fulcra em que o material apreendido é substância entorpecente, daí a necessidade do nominado laudo para atestar esse fato, sem o que a denúncia carece de pressuposto, devendo ser reputada inepta.

MÉRITO

A imputação não é verdadeira.

Como salientado antes, apenas o interrogatório policial formal faz acusações contra os acusados.

Entretanto, no momento de sua prisão, ao que se lê do depoimento da testemunha Sargento……., a acusada afirmou com todas as letras que a droga apreendida fora trazida de ……, onde a acusada reside.

Continua a mesma testemunha relatando que a acusada ….., sendo novamente perguntada sobre a propriedade e procedência da referida droga, confirmou que era sua e fora comprada em …..

O policial militar …….. por seu turno, afirma que a acusada …… afirmou ser a proprietária da droga e que iria dividi-la com os demais.

A testemunha ……., por sua vez, informa que saíram para dar umas voltas “a convite de ……” a qual, no caminho, disse que tinha maconha da qual fariam uso, que ela “faria uma presença”.

Verifica-se, pois, que a versão apresentada pela acusada ….. é contraditória, ora dizendo que adquiriu a droga em …… reafirmando tal versão, e no apagar das luzes de suas declarações diz que teria comprado do acusado ………

Inquestionavelmente extrai-se do processo e da conduta da acusada…..que a mesma é viciada, não sendo crível que tivesse comprado e guardado a droga por dez dias.

Demais disso, se o acusado ……. fosse traficante, como se lhe imputa a denúncia, não precisaria se valer da droga alheia para seu uso, como faz crer a incongruente imputação.

Quanto ao acusado ……., na mesma esteira, a versão da acusada ….., de que este teria convidado para fazer uso, desaba em confronto com o depoimento da testemunha presencial ……, que afirma que foi ela, a acusada …., quem convidou os presentes para saírem.

A acusação ou imputação feita pelo acusado contra outrem é conhecida juridicamente como “chamada de co-réu”, sendo tida jurisprudencialmente como insuficiente para a condenação, mormente em casos como a hipótese vertente em que a versão é contraditória.

Os acusados …… e ……. são pessoas honestas, primárias, de boas antecedências, sendo certo que o próprio Delegado de Polícia não viu qualquer crime que tivessem eles cometido, por isso que nem mesmo foram presos ou indiciados na fase investigatória.

Desse modo, a denúncia contra os acusados …… e ……, ora defendentes, deve ser rejeitada, o que se roga.

Por respeito à eventualidade, requerem a oitiva das testemunhas constantes do rol abaixo.

Pedem Juntada e deferimento.

(local e data)

(assinatura e n.º da OAB do advogado)

ROL DE TESTEMUNHAS

(nome, qualificação e endereço)

Faça o Download Gratuito deste modelo de Petição

Compartilhe

plugins premium WordPress
Categorias
Materiais Gratuitos