logo comece 2024 easy

Conheça a inteligência artificial que lê publicações

Inteligência Artificial de verdade, que lê publicações, fornece resumo, recomenda ações e sugere o prazo aplicável.

Blog

[MODELO] Réplica do Autor – Violação do direito à vida e cláusula abusiva de carência em plano de saúde

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 8ª VARA CÍVEL DA COMARCA DA CAPITAL

PROCESSO:2003.001.00004384-0

, já qualificado nos autos da Ação de Obrigação de Fornecimento de Serviço com Pedido de Antecipação de Tutela que move em face da GOLDEN CROSS – ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL DE SAÚDE LTDA. e do HOSPITAL BALBINO, vem, pela Defensoria Pública, em cumprimento ao r. despacho de fls. 10006, apresentar

RÉPLICA

pelos fatos e fundamentos que passa a expor.

Em sua contestação, alega a ré, em suma, que, uma vez que a doença do autor é preexistente ao contrato, está sujeita aos prazos de carência, somente sendo possível a cobertura de internação pelas primeiras 12 (doze) horas.

Contudo, RESTA CLARO QUE O MAIOR DOS DIREITOS DO HOMEM, e por esse motivo direito fundamental e indisponível, núcleo imodificável da Constituição da República (cláusula pétrea), É O DIREITO À VIDA, que tenta a ré, de forma lamentável e covarde, reduzir à insignificância.

Não bastasse o absurdo dessa primeira afirmação da ré, esta ainda vai em frente, afirmando que o prazo de 12 (doze) horas é geralmente suficiente para estabilizar as referidas situações de emergência, como se possível fosse determinar o termo final de uma enfermidade ou que tal enfermidade fosse branda o suficiente para não ensejar a necessidade de uma internação em UTI, por exemplo.

Assim, ao que parece, a sugestão da ré – frise-se, por demais afastada da plausibilidade – é a de que o autor deveria afastar-se do hospital, uma vez que o prazo de carência deve ser respeitado, ainda que em detrimento da vida. Esquece-se a ré, entretanto, que não é fornecedora de peças para automóveis, mas de um serviço que resguarda o maior bem jurídico do ser humano tutelado pelo Direito: a vida.

Nesse sentido, cumpre destacar algumas decisões proferidas pelo Colendo Superior Tribunal de Justiça que tratam especificamente do tema em debate:

[…]

Por outro lado, as razões do recurso especial são deficientes, porque deixaram de atacar o fundamento do acórdão capaz de mantê-lo: o de que, diante do cuidado e do rigor nas exigências com carências e despesas das empresas de saúde, constata-se que as rés não agiram com boa-fé ao venderem um plano de saúde para o de cujus com curto prazo para internação em Unidade de Terapia Intensiva – UTI.

Tal restrição temporal para a internação na UTI é abusiva porque violado o art. 51, IV, do Código de Defesa do Consumidor, devendo as rés arcar com os pagamentos decorrentes da internação. (sem grifos no original)

( AG 400853, Relator Ministro Ari Pargendler, STJ, 3ª Turma, DJ 02.10.01)

[…]

A Segunda Seção decidiu ser nula a cláusula limitativa do período de internação hospitalar do segurado (Art. 51, do CDC).

(AG 434148, Relator Ministro Aldir Passarinho Júnior, STJ, 4ª Turma, DJ 10.05.02)

É esse também o entendimento cediço no nosso Tribunal de Justiça, como se pode notar na ementa a seguir transcrita:

“Ação de Cobrança – Seguro Saúde – Atendimento de emergência – CARÊNCIA LI MITAÇÃO TEMPORAL – CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR – CLÁUSULA ABUSIVA. O atendimento de urgência do segurado em planos de saúde não está condicionado a período de carência e nem a limitação temporal, constituindo-se abusiva, nos termos do CEDECON, a cláusula em sentido contrário. Recurso improvido.” (grifamos)

( 17ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro; Decisão Unânime; Julgado em 23/10/2012)

Ademais, é de fundamental relevância destacar, sem prejuízo de todos os fatos alegados na presente peça processual, a redação ao art. 12, inciso II, alíneas “a” e “b”, da Lei nº 000.656/0008:

Art. 12.

I – (…)

II – Quando incluir internação hospitalar:

a) cobertura de internações hospitalares, vedada a limitação de prazo, valor máximo e quantidade, em clínicas básicas e especializadas, reconhecidas pelo Conselho Federal de Medicina, admitindo-se a exclusão dos procedimentos obstétricos;

b) cobertura de internações hospitalares em centro de terapia intensiva, ou similar, vedada a limitação de prazo, valor máximo e quantidade, a critério do médico assistente; (grifamos)

Assim, percebe-se claramente que, uma vez que se trata de típica relação de consumo , é inegável que o contrato existente entre as partes está sob a regência da Lei nº 8.078/0000 – Código de Defesa do Consumidor.

Nesse contexto, salienta-se a relevância da invocação, no presente caso, de um dos princípios básicos das relações de consumo: o da hipossuficiência do consumidor. Assim, sendo a ré, fornecedora do serviço, instituição de grande poder econômico, como é o caso, há que se buscar firmemente um equilíbrio de forças entre as partes.

Além disso, é importante ressaltar que, em que pese ser o princípio da autonomia da vontade um dos mais relevantes entre os princípios gerais dos contratos, este não é absoluto, conforme a lição do mestre ORLANDO GOMES, in Contratos, 12ª ed., página 27:

A liberdade de contratar propriamente dita jamais foi ilimitada. Duas limitações de caráter geral sempre confinaram-na: a ordem pública e os bons costumes.

(…) A lei da ordem pública seria aquela que entende como interesses essenciais do Estado ou da coletividade, ou que fixa no direito privado, as bases jurídicas fundamentais sobre as quais repousa a ordem econômica ou moral de determinada sociedade”. (grifamos)

Dessa forma, sendo certo que o contrato de seguro saúde é típico CONTRATO DE ADESÃO, o que existe, segundo ORLANDO GOMES (in Contrato de Adesão, pp. 05-0000), é “a característica da irrecusabilidade”, somente sendo dado ao consumidor o ”direito de assinar”, dando sua anuência às cláusulas prévia e unilateralmente fixadas pela seguradora (art. 54, do CDC – “cláusulas redigidas prévia e unilateralmente por uma das partes”), não lhe sendo possível qualquer discussão a respeito das referidas cláusulas.

Portanto, como forma de proteção à sua integridade física e mental, não resta outra alternativa ao consumidor que não seja a assinatura do contrato.

Ainda nesse sentido, cabe transcrever o entendimento de CLÁUDIA LIMA MARQUES, in Contratos no CDC, 10000002, p. 31:

“… limita-se o consumidor a aceitar em bloco (muitas vezes sem sequer ler completamente) as cláusulas, que foram unilateral e uniformemente pré-elaboradas pela empresa, assumindo, assim, um papel de simples aderente à vontade manifestada pela empresa no instrumento contratual massificado”. (grifamos)

Por fim, cabe afirmar que o art. 10006 da Constituição da República, ao tratar de maneira específica da saúde, ressalta a relevância pública das ações e serviços de saúde, não podendo ser tratados, portanto, como uma simples atividade comercial em que se vislumbra o lucro e nada mais, como faz crer a empresa ré.

CONCLUSÃO

Por todo o exposto, verifica-se que os fatos alegados em contestação não servem para elidir a pretensão do autor, razão pela qual ratifica o pedido inicial, requerendo a V. Exa. , por ser medida da mais lídima justiça, seja o mesmo julgado procedente.

Ratifica, por oportuno, o requerimento para produção de prova testemunhal, pericial e documental suplementar, caso necessárias, sem prejuízo da inversão do ônus da prova.

Nestes termos,

p. deferimento.

Rio de Janeiro, 11 de novembro de 2003.

Faça o Download Gratuito deste modelo de Petição

Compartilhe

plugins premium WordPress
Categorias
Materiais Gratuitos