logo easyjur azul

Blog

[MODELO] Formas de Auditoria Contábil – Roteiro

Principais formas de auditoria – Roteiro de Procedimentos

Um contrato de auditoria contábil, ao ser elaborado, deve considerar as características peculiares do serviço a ser realizado, o que definirá a forma do trabalho a ser executado, conforme o exposto neste Roteiro, no qual apresentamos as principais formas de auditoria existentes.


Principais formas de auditoria – Roteiro de Procedimentos

Roteiro – Federal – 2009

Sumário

Introdução

I.Extensão do trabalho

I.1Auditoria geral

I.2Auditoria parcial

I.3Revisão limitada

II.Profundidade do trabalho

II.1Revisão integral

II.2Auditoria por amostragem (testes)

II.3Revisão analítica

III.Outras formas de auditoria

IV.Referências bibliográficas

Introdução

Um contrato de auditoria contábil, ao ser elaborado, deve considerar as características peculiares do serviço a ser realizado, o que definirá a forma do trabalho a ser executado, conforme o exposto neste Roteiro, no qual apresentamos as principais formas de auditoria existentes.

I. Extensão do trabalho

A extensão do trabalho definirá uma das três formas de auditoria, abaixo discriminadas:

I.1 Auditoria geral

A auditoria geral é aquela exercida sobre todos os elementos componentes do patrimônio e sobre todas as operações do exercício auditado, sendo a mais completa em extensão, podendo apenas variar em profundidade, fundamentando o trabalho realizado no exame integral ou por testes das operações registradas e ser eventual ou permanente, neste último caso, sendo realizada de forma continuada ou periódica.

I.2 Auditoria parcial

A auditoria parcial tem por finalidade examinar apenas uma ou algumas das demonstrações contábeis, livros, contas ou atos de gestão, com objetivos específicos, conforme os interesses da administração, dos investidores, dos credores, do fisco, etc.

I.3 Revisão limitada

A revisão limitada compreende um conjunto específico de exames no qual não se aplicam todas as normas de auditoria, sendo utilizada nas circunstâncias em que seja inviável a realização da auditoria geral, especialmente em caráter de urgência, como o levantamento do balanço em data em que não coincida com a do encerramento do exercício, mas que se torne urgente o parecer do auditor.

II. Profundidade do trabalho

A profundidade do trabalho definirá as formas de auditoria, a seguir apresentadas:

II.1 Revisão integral

A revisão integral é o exame de todos os registros contábeis da empresa, inclusive documentos e controles internos, sendo equivalente a uma perícia contábil, favorecendo a apuração de ocorrências ou não de fraudes, erros ou omissões nos respectivos registros, documentos e controles.

Em relação a esta forma de auditoria é interessante o ensinamento dos professores Hilário Franco e Ernesto Marra (2001, p. 208):

"A auditoria parcial, entretanto, quando tem por objetivo apurar erros ou fraudes, geralmente deve ser integral, pois somente assim ela poderá alcançar seus objetivos. É o caso da auditoria realizada para apuração de desvios de dinheiro ou mercadorias, realizada nas contas Caixa e Almoxarifado, entre outras".

Como podemos verificar o trabalho de auditoria poderá envolver uma combinação de formas, como a revisão integral, que está vinculada à profundidade dos exames, combinada com a auditoria parcial, que está ligada à extensão dos trabalhos.

II.2 Auditoria por amostragem (testes)

O exame dos registros, documentos ou controles da empresa por amostragem corresponde aos procedimentos mais atuais de auditoria, amparados pelas normas de auditoria em vigor no Brasil, e compreende o exame de determinada porcentagem desses, distinguindo-se consideravelmente da revisão integral, que visa o exame completo dos mesmos.

Amparados, mais uma vez, nos ensinamentos de Hilário Franco e Ernesto Marra (2001, p. 209):

" No julgamento da profundidade com que deve ser realizado o exame, o auditor deve levar em conta os seguintes fatores:
a) a "relevância" do fato ou elemento examinado e seu valor e influência em relação ao objeto do exame, às demonstrações contábeis ou ao parecer do auditor;
b) o "risco provável", que pode emergir da carência ou da deficiência na comprovação dos fatos ou elementos prováveis."

II.3 Revisão analítica

Dentro dos trabalhos de auditoria por amostragem, como visto no sub-item 2.2 deste comentário, o auditor pode constatar a existência de deficiência significativa nos controles internos da empresa ou, através de testes, pode detectar falhas nos registros contábeis ou nos documentos negociais e fiscais que os fundamentam. Nesta hipótese, será necessário um exame mais aprofundado do trabalho, até onde for necessário para a emissão do respectivo parecer de auditoria. A este exame mais profundo denomina-se "revisão analítica".

A diferença entre a revisão integral e a revisão analítica consiste que a primeira examina todo o fluxo contábil da empresa, enquanto a segunda realiza o exame total de determinados pontos questionáveis.

III. Outras formas de auditoria

Existem outras formas de auditoria, mas todas derivadas, de algum modo, das anteriormente expostas, conforme a natureza do trabalho, ao fim a que se destina e a relação do auditor com a empresa auditada.

De acordo com a natureza do trabalho, a auditoria pode ser:

a) permanente:

– continuada; ou

– periódica;

b) eventual; ou

c) de balanço com fim específico.

Em relação aos fins a que se destina, a auditoria pode ser:

a) para satisfazer interesses de sócios e investidores;

b) para controle administrativo;

c) para erros e fraudes;

d) para concessão de crédito;

e) para apuração do valor do patrimônio líquido;

f) para verificação e avaliação do cumprimento de obrigações fiscais;

g) para atender a exigências legais; ou

h) para a confirmação da exatidão das demonstrações contábeis (que é o principal objetivo de qualquer forma de auditoria).

Conforme a relação do auditor com a empresa auditada, a auditoria pode ser:

a) externa (auditoria independente); ou

b) interna.

IV. Referências bibliográficas

FRANCO, Hilário & MARRA, Ernesto. Auditoria contábil. 4ª edição. São Paulo : Atlas, 2001.



Faça o Download Gratuito deste modelo de Petição

Compartilhe

Categorias
Materiais Gratuitos