Easyjur Software Jurídico

Blog

[MODELO] Ação Anulatória de Débito Previdenciário – Programa de Alimentação

EX­MO. (A) SR. (A) DR. (A) ­JUIZ (A) FE­DE­RAL DA

_____________________________________

…., pes­soa ju­rí­di­ca de di­rei­to pri­va­do, com se­de na Rua …. nº …., na comarca de …., CGC/MF sob nº …., vem res­pei­to­sa­men­te à pre­sen­ça de Vossa Excelência, por ­seus ad­vo­ga­dos ao fi­nal as­si­na­dos, pro­por uma

Petição Inicial – Ação Anulatória –

Programa de ali­men­ta­ção: lei nº 6321/76

contra o ­INSS – Instituto Nacional do Seguro Social, en­te ju­rí­di­co de di­rei­to pú­bli­co, com se­de em …. e en­de­re­ço em …., na Rua …. nº …., pe­las ra­zões abaixo elencadas.

OS FA­TOS – IR­RE­GU­LA­RI­DA­DE DA AU­TUA­ÇÃO

1. A au­to­ra é em­pre­sa que ­atua no ra­mo de trans­for­ma­ção de pro­du­tos quí­mi­cos pa­ra pro­du­ção de ce­ras e de­ri­va­dos.

Fornece aos ­seus fun­cio­ná­rios, ha­bi­tual­men­te, ali­men­ta­ção diá­ria no re­fei­tó­rio da em­pre­sa. Em 100088, ins­cre­veu-se no PAT (Programa de Alimentação do Trabalhador) ins­ti­tuí­do pe­la Lei 6.321/76, com a fi­na­li­da­de de usu­fruir do be­ne­fí­cio ali des­cri­to, ver­bis:

Art. 1º As pes­soas ju­rí­di­cas po­de­rão de­du­zir, do lu­cro tri­bu­tá­vel pa­ra ­fins de Imposto de Renda, o do­bro das des­pe­sas com­pro­va­da­men­te rea­li­za­das no pe­río­do-ba­se, em pro­gra­mas de ali­men­ta­ção do tra­ba­lha­dor, pre­via­men­te apro­va­dos pe­lo Ministério do Trabalho na for­ma em que dis­pu­ser o re­gu­la­men­to des­ta lei.

Este pro­gra­ma, en­fim, vi­sa in­cen­ti­var as em­pre­sas com be­ne­fí­cios fis­cais (de­du­ções no ­IRPJ) pa­ra for­ne­ci­men­to de ali­men­ta­ção aos ­seus fun­cio­ná­rios.

Devido à ins­cri­ção no pro­gra­ma, a au­to­ra co­me­çou a usu­fruir de ­seus efei­tos re­la­ti­vos ao Imposto de Renda e, ­mais ain­da, des­con­si­de­ra­va a par­ce­la des­pen­di­da com ali­men­ta­ção do sa­lá­rio de con­tri­bui­ção dos fun­cio­ná­rios, já que a ali­men­ta­ção ali for­ne­ci­da, no ca­so, não po­dia ser tra­ta­da co­mo pres­ta­ção in na­tu­ra.

Ou se­ja, a ali­men­ta­ção for­ne­ci­da nos mol­des do programa não tem na­tu­re­za sa­la­rial não po­den­do ser con­si­de­ra­da sa­lá­rio de con­tri­bui­ção in na­tu­ra, co­mo se de­mons­tra­rá a se­guir.

2. Ocorre, po­rém, que, em …., foi au­tua­da pe­la fis­ca­li­za­ção do ­INSS em …., que lhe cons­ti­tuiu cré­di­to pre­vi­den­ciá­rio re­la­ti­vo a dé­bi­to com­ple­men­tar re­fe­ren­te a sa­lá­rio in na­tu­ra no pe­río­do de …. a ….

Na es­fe­ra ad­mi­nis­tra­ti­va, a au­to­ra ten­tou des­cons­ti­tuir, sem êxi­to, tal lan­ça­men­to fis­cal por ­meio de de­fe­sa e re­cur­so ad­mi­nis­tra­ti­vo. Em to­das as oca­siões, sua pre­ten­são foi re­pe­li­da por­que su­pos­ta­men­te não es­ta­va ins­cri­ta no PAT e, por­tan­to, não po­de­ria usu­fruir de ­suas prer­ro­ga­ti­vas.

3. Em con­se­qüên­cia, foi no­ti­fi­ca­da em …. da decisão pro­fe­ri­da pe­lo Conselho de Recursos da Previdência Social (­CRPS), que lhe ne­gou pro­vi­men­to ao re­cur­so in­ter­pos­to e deu-lhe pra­zo pa­ra re­co­lhi­men­to do dé­bi­to (doc. ane­xo).

Tal de­ci­são ba­seou-se nos se­guin­tes ter­mos, ver­bis:

… CON­SI­DE­RAN­DO que pa­ra a em­pre­sa ser be­ne­fi­cia­da pe­lo pro­gra­ma de ali­men­ta­ção do tra­ba­lha­dor, tem que obri­ga­to­ria­men­te es­tar am­pa­ra­da pe­la Lei nº 6.321/76;

CON­SI­DE­RAN­DO que a em­pre­sa apre­sen­tou sua ins­cri­ção ao Programa de Alimentação re­fe­ren­te ao ano de 100088, sem, en­tre­tan­to, ter exi­bi­do a de­vi­da re­no­va­ção pa­ra o ano de 10008000, dian­te de tal fa­to o dé­bi­to foi re­ti­fi­ca­do;

CON­SI­DE­RAN­DO o que es­tá dis­pos­to no art. 41, pa­rá­gra­fo 1º alí­nea c do ­RCPS – Decreto nº 83.081/7000, al­te­ra­do pe­lo Decreto nº 0000817/85;

CON­CLU­SÃO – Diante do ex­pos­to – vo­to no sen­ti­do de co­nhe­cer do re­cur­so, pa­ra, no mé­ri­to, ne­gar-lhe pro­vi­men­to, man­ten­do o dé­bi­to re­ti­fi­ca­do.

4. Tendo em vis­ta a co­bran­ça ju­di­cial de tal dé­bi­to, con­for­me a par­te fi­nal da de­ci­são aci­ma, e con­si­de­ran­do a ile­ga­li­da­de e a ar­bi­tra­rie­da­de de sua exi­gên­cia, vem no mo­men­to a au­to­ra bus­car a via or­di­ná­ria pa­ra anu­lar o lan­ça­men­to e des­cons­ti­tuir o cré­di­to tri­bu­tá­rio.

O re­que­ri­do, re­pi­ta-se, en­ten­de que a au­to­ra não es­ta­va ins­cri­ta no PAT no pe­río­do de …. a …., não po­den­do pro­ce­der con­for­me ­suas re­gras os des­con­tos da ali­men­ta­ção dos tra­ba­lha­do­res.

Ora, co­mo in­sis­ten­te­men­te afir­ma­do em se­de ad­mi­nis­tra­ti­va, não exis­te ne­nhu­ma ba­se ju­rí­di­ca que dê con­sis­tên­cia aos ar­gu­men­tos in­vo­ca­dos pe­lo re­que­ri­do de mol­de a que pos­sa sub­sis­tir o lan­ça­men­to efe­tua­do. Isto por­que, a Lei nº 6.321/76 na­da men­cio­na acer­ca de even­tuais re­no­va­ções e ins­cri­ções co­lo­ca­das co­mo re­qui­si­to pa­ra a uti­li­za­ção do programa.

Na ver­da­de, o lan­ça­men­to re­la­ti­vo ao ano de …. per­ma­ne­ceu úni­ca e ex­clu­si­va­men­te por­que a em­pre­sa dei­xou de re­no­var es­te me­ro re­qui­si­to for­mal exi­gi­do pe­lo ­INSS, ou se­ja, ain­da que pro­ce­den­do con­for­me as re­gras do PAT, dei­xou de re­no­vá-lo, no ano de ….

Por cau­sa des­sa me­ra for­ma­li­da­de, a in­ter­pre­ta­ção do re­que­ri­do foi no sen­ti­do de man­ter o lan­ça­men­to ora dis­cu­ti­do e não le­var em con­si­de­ra­ção o fa­to de a em­pre­sa es­tar efe­ti­va­men­te ins­cri­ta no PAT des­de ….

5. Conclui-se, por­tan­to, que o lan­ça­men­to é fru­to de en­ten­di­men­to sub­je­ti­vo e de in­ter­pre­ta­ção equi­vo­ca­da de pre­cei­tos le­gais, ­quer do Direito do Trabalho, ­quer da pró­pria le­gis­la­ção pre­vi­den­ciá­ria. Isto, por­tan­to, é o ful­cro da pre­sen­te ­ação, ou se­ja, o re­que­ri­do, ao con­cre­ti­zar a co­bran­ça do cré­di­to tri­bu­tá­rio, fru­to de lan­ça­men­to ir­re­gu­lar e ar­bi­trá­rio, es­tá ine­ga­vel­men­te a amea­çar o pa­tri­mô­nio da au­to­ra que po­de­rá ser com­pe­li­da a pa­gar o que não de­ve.

O lan­ça­men­to foi omis­so em pon­tos re­le­van­tes e li­mi­ta­do, em seu re­la­tó­rio, a me­ros cál­cu­los, sem apon­tar ­quais os fa­tos con­cre­tos que ge­ra­ram a con­vic­ção de dé­bi­to su­ple­men­tar, prin­ci­pal­men­te no to­can­te à re­la­ção dos em­pre­ga­dos ti­dos co­mo su­jei­tos do be­ne­fí­cio cha­ma­do sa­lá­rio in na­tu­ra. O dé­bi­to su­ple­men­tar em ne­nhum mo­men­to foi real­men­te de­mons­tra­do na se­de ad­mi­nis­tra­ti­va.

Este fa­to ine­ga­vel­men­te ca­rac­te­ri­za a in­sub­sis­tên­cia do lan­ça­men­to, uma vez que o úni­co ar­gu­men­to uti­li­za­do pe­lo re­que­ri­do é o de que a au­to­ra não ti­nha a ins­cri­ção re­la­ti­va do ano de …. Entretanto, a au­to­ra ape­nas dei­xou de res­pei­tar uma úni­ca for­ma­li­da­de que por sua vez mos­tra­va-se ab­so­lu­ta­men­te sa­ná­vel no mo­men­to da la­vra­tu­ra do au­to de in­fra­ção. Ou me­lhor, no mo­men­to de apu­ra­ção do su­pos­to dé­bi­to da au­to­ra, po­de­ria o re­que­ri­do ve­ri­fi­car e com­pa­rar as de­mons­tra­ções dos des­con­tos pre­vi­den­ciá­rios da em­pre­sa sem ter que pro­ce­der a uma au­tua­ção. Daí por­que con­clui-se ter havido ar­bi­tra­rie­da­de e in­con­sis­tên­cia do lan­ça­men­to le­va­do a efei­to.

6. A em­pre­sa es­tá am­pa­ra­da pe­lo Programa de Alimentação do Trabalhador e, con­tu­do, sua úni­ca ir­re­gu­la­ri­da­de foi o de não re­no­var a ins­cri­ção ain­da que te­nha per­ma­ne­ci­do a pro­ce­der con­for­me as re­gras da Lei nº 6.321/76.

Somente por cau­sa des­sa fal­ta de re­no­va­ção que, sa­lien­te-se, se­quer es­tá pre­vis­ta na Lei nº 6.321/76, a em­pre­sa au­to­ra foi au­tua­da e de­ve­rá re­co­lher aos co­fres do ­INSS va­lo­res alea­to­ria­men­te lan­ça­dos pe­lo re­que­ri­do. Os agen­tes da fis­ca­li­za­ção, no mo­men­to da la­vra­tu­ra do au­to de in­fra­ção, tra­ves­ti­ram-se de agen­tes pu­ni­ti­vos vi­san­do uni­ca­men­te apli­car a mul­ta, sem ques­tio­nar a fun­do sua pro­ce­dên­cia. Poderiam os fis­cais, na­que­le mo­men­to, ve­ri­fi­car de ma­nei­ra cor­re­ta a fo­lha de pa­ga­men­to e os res­pec­ti­vos des­con­tos pa­ra com­pro­var a re­gu­la­ri­da­de das con­tas su­jei­tas ao PAT e a fal­ta de re­no­va­ção da em­pre­sa jun­to à agên­cia do ­INSS em ….

Entretanto, a fal­ta de re­no­va­ção da ins­cri­ção no PAT (al­ta­men­te sa­ná­vel por ser me­ra for­ma­li­da­de) fez com que os des­con­tos pro­ce­di­dos pe­la au­to­ra fos­sem con­si­de­ra­dos sa­lá­rio in na­tu­ra.

7. Em su­ma, a au­to­ra foi al­ta­men­te pe­na­li­za­da ape­nas por não ter re­no­va­do sua ins­cri­ção ­anual. O re­que­ri­do, ao in­vés de sa­nar ir­re­gu­la­ri­da­des e orien­tar o con­tri­buin­te, fun­cio­nou, no ca­so, co­mo agen­te ar­re­ca­da­dor imu­ne a maio­res re­fle­xões acer­ca de ­suas ­reais atri­bui­ções.

­SALÁRIO IN NA­TU­RA

8. Tendo em vis­ta as con­si­de­ra­ções aci­ma, se faz ne­ces­sá­ria uma de­fi­ni­ção do sa­lá­rio in na­tu­ra com o fim de de­mons­trar a in­sub­sis­tên­cia do lan­ça­men­to em ques­tão.

Em nos­so Direito, por for­ça das dis­po­si­ções cons­tan­tes do ar­ti­go 458 da Consolidação das Leis do Trabalho, além do pa­ga­men­to em di­nhei­ro, com­preen­de-se no sa­lá­rio, pa­ra to­dos os efei­tos le­gais, a ali­men­ta­ção, ha­bi­ta­ção, ves­tuá­rio e ou­tras pres­ta­ções in na­tu­ra que a em­pre­sa, por for­ça do con­tra­to de tra­ba­lho ou do cos­tu­me, for­ne­cer ha­bi­tual­men­te ao em­pre­ga­do.

A in­ter­pre­ta­ção em­pres­ta­da pe­lo re­que­ri­do, à luz da dis­po­si­ção aci­ma men­cio­na­da, não re­tra­tou o es­pí­ri­to in­ser­to no men­cio­na­do man­da­men­to le­gal pe­lo le­gis­la­dor, pa­ra a ca­rac­te­ri­za­ção do sa­lá­rio in na­tu­ra. Máxime quan­do a em­pre­sa efe­ti­va­men­te pro­ce­dia con­for­me as re­gras do PAT.

O di­vi­sor na­tu­ral pa­ra a ca­rac­te­ri­za­ção do sa­lá­rio in na­tu­ra, pa­ra ­fins de con­tri­bui­ção pre­vi­den­ciá­ria re­si­de na exis­tên­cia de ex­pres­so ajus­te acer­ca do for­ne­ci­men­to da uti­li­da­de, que se bus­ca iden­ti­fi­car co­mo tal.

000. Ensina Aluysio Sampaio (Dicionário de Direito Individual do Trabalho. Ltr., p. 244), sa­lá­rio in na­tu­ra é a par­te do sa­lá­rio pa­ga em uti­li­da­des.

Para José Serson (Curso de Rotinas Trabalhistas. Editora Revista dos Tribunais, 27 ª ed., p. 300) se a ali­men­ta­ção é co­bra­da, ela é par­te de um con­tra­to pa­ra­le­lo ao de tra­ba­lho de for­ne­ci­men­to de ali­men­ta­ção. E NÃO TEM EFEI­TO SA­LA­RIAL, MES­MO QUE A EM­PRE­SA VEN­DA ABAI­XO DO CUS­TO.

Dos en­si­na­men­tos de ­Otávio Bueno Magano (Manual de Direito do Trabalho. Vol. II, p. 187), ex­traí­mos que sa­lá­rio em uti­li­da­de é a pres­ta­ção in na­tu­ra que o em­pre­ga­dor, por for­ça do con­tra­to ou do cos­tu­me, atri­buiu ao em­pre­ga­do, em re­tri­bui­ção dos ser­vi­ços por es­te pres­ta­do. Constitui, por­tan­to, mo­da­li­da­de de re­mu­ne­ra­ção pa­ra­le­la ao sa­lá­rio pa­go em di­nhei­ro.

Do po­si­cio­na­men­to dou­tri­ná­rio, cons­truí­do a par­tir da in­ter­pre­ta­ção do art. 458 e ­seus pa­rá­gra­fos, da Consolidação, te­mos que so­men­te quan­do a uti­li­da­de ali­men­ta­ção é for­ne­ci­da gra­tui­ta­men­te e co­mo com­ple­men­to do pa­ga­men­to em di­nhei­ro e por for­ça do con­tra­to de tra­ba­lho ou do cos­tu­me, é que se da­rá a in­te­gra­ção ao sa­lá­rio.

Afora es­tas hi­pó­te­ses, o for­ne­ci­men­to de uti­li­da­de não in­te­gra o sa­lá­rio pa­ra qual­quer efei­to, em es­pe­cial, quan­to às con­tri­bui­ções pre­vi­den­ciá­rias, que é a hi­pó­te­se em te­la.

10. No âm­bi­to ju­ris­pru­den­cial, en­con­tra­mos os se­guin­tes jul­ga­dos:

Não cons­ti­tuiu o sa­lá­rio in na­tu­ra a aju­da de ali­men­ta­ção con­ce­di­da atra­vés do pro­gra­ma de ali­men­ta­ção do tra­ba­lha­dor, ­pois tal pro­gra­ma vi­sa a in­cen­ti­var com be­ne­fí­cios fis­cais às em­pre­sas pa­ra o for­ne­ci­men­to de ali­men­ta­ção ao tra­ba­lha­dor. (TRT – 1ª Região, acór­dão unâ­ni­me da 3ª Turma – Recurso Ordinário nº 12138/8000 – Relator juiz Luiz C. de Brito – ­DJRJ de 16/4/0001, p. 145)

O for­ne­ci­men­to de tic­ket de re­fei­ção in­te­gra o pro­gra­ma de ali­men­ta­ção do tra­ba­lha­dor, ins­ti­tuí­do pe­la Lei nº 6.321/76, não po­den­do ser con­si­de­ra­da co­mo par­ce­la in na­tu­ra in­te­gra­ti­va de re­mu­ne­ra­ção, o mes­mo ocor­ren­do co­mo sub­sí­dio to­tal ou de par­te da con­tri­bui­ção pa­ra a em­pre­sa de as­sis­tên­cia mé­di­ca. (TRT da 3ª Região, acór­dão unâ­ni­me da 2ª Turma, Relator juiz José Gaetani – ­DJMG de 1000/7/0001, p. 4000).

­SALÁRIO – UTI­LI­DA­DE – ALI­MEN­TA­ÇÃO – LEI Nº 6.321/76 – NÃO CA­RAC­TE­RI­ZA­ÇÃO.

Salário in na­tu­ra. A ali­men­ta­ção for­ne­ci­da ao tra­ba­lha­dor em aten­di­men­to à Lei 6.321/76 (Programa de Alimentação) não tem ca­rá­ter sa­la­rial, não cons­ti­tuin­do, as­sim, sa­lá­rio in na­tu­ra. Embargos co­nhe­ci­dos e aco­lhi­dos. (Acórdão unâ­ni­me da SE­DI do TST no ERR nº 470005/8000.1 – 1ª Região – Relator mi­nistro Hélio Regato, Julgado em 25/2/0002, DJU de 8/5/0002, p. 6326).

11. Com is­so es­tá cla­ro que o en­qua­dra­men­to le­gal do au­to de in­fra­ção es­tá equi­vo­ca­do já que uti­li­zou-se de uma sim­ples ir­re­gu­la­ri­da­de, fa­cil­men­te sa­ná­vel, pa­ra efe­ti­var lan­ça­men­to com ba­se em in­ter­pre­ta­ção equi­vo­ca­da acer­ca da lei que ins­ti­tuiu o PAT.

Veja-se que o art. 41, I, do ­RCPS, de­ter­mi­na que de­ve ser en­ten­di­do por sa­lá­rio-de-con­tri­bui­ção a re­mu­ne­ra­ção efe­ti­va­men­te re­ce­bi­da a qual­quer tí­tu­lo.

Na hi­pó­te­se ver­ten­te, os em­pre­ga­dos NA­DA RE­CE­BE­RAM; AO ­CONTRÁRIO, TI­VE­RAM DES­CON­TA­DOS DE ­SEUS ­SALÁRIOS O VA­LOR DA ALI­MEN­TA­ÇÃO. O ca­so em exa­me re­pro­duz, fiel­men­te, a con­tro­vér­sia di­ri­mi­da pe­lo Egrégio Tribunal Superior do Trabalho elencada aci­ma.

12. Em sín­te­se, po­de-se enu­me­rar as se­guin­tes con­clu­sões:

1) Não se ca­rac­te­ri­za o sa­lá­rio in na­tu­ra, tal co­mo de­fi­ni­do no art. 458, da CLT, o que afas­ta de pla­no os pre­ten­di­dos re­fle­xos pre­vi­den­ciá­rios

2) Há o er­rô­neo en­qua­dra­men­to le­gal por par­te do agen­te fis­ca­li­za­dor, na me­di­da em que a em­pre­sa pro­ce­dia con­for­me as re­gras es­ta­be­le­ci­das pe­la lei que ins­ti­tuiu o PAT, po­rém, dei­xou de re­no­var sua ins­cri­ção no ano de …., fa­to es­te al­ta­men­te sa­ná­vel pe­lo pró­prio re­que­ri­do, o que tor­na des­ne­ces­sá­ria a au­tua­ção.

Ou se­ja, o pro­ce­di­men­to, ado­ta­do pe­la au­to­ra, aci­ma des­cri­to ­além de não con­fi­gu­rar o de­no­mi­na­do sa­lá­rio in na­tu­ra, con­for­me a ju­ris­pru­dên­cia elen­ca­da, da mes­ma for­ma, não con­fi­gu­ra in­fra­ção pas­sí­vel de au­tua­ção por par­te do re­que­ri­do pe­los mo­ti­vos ex­pos­tos.

13. Tudo is­to cons­ti­tui ar­gu­men­to de­ci­si­vo e que pul­ve­ri­za qual­quer pre­ten­são por par­te da re­que­ri­da, já que a au­to­ra pos­suía o Programa de Alimentação, nos mol­des da Lei nº 6.321/76, con­for­me se po­de ver dos ane­xos do­cu­men­tos des­de …. até o pre­sen­te ano.

Em su­ma, dian­te do ex­pos­to, con­clui-se que o lan­ça­men­to em ques­tão não me­re­ce pros­pe­rar, de­ven­do ser anu­la­do, des­cons­ti­tuin­do-se o cré­di­to tri­bu­tá­rio de­le de­cor­ren­te.

14. Sendo as­sim, ten­do em vis­ta as ale­ga­ções des­pen­di­das, re­quer:

a) A ci­ta­ção do re­que­ri­do, na pes­soa de seu re­pre­sen­tan­te, pa­ra que, que­ren­do, con­tes­te os ter­mos da pre­sen­te ­ação.

b) Contestada ou não, se­ja a pre­sen­te ­ação jul­ga­da pro­ce­den­te pa­ra o fim de se anu­lar o lan­ça­men­to ­NFLD nº …., con­de­nan­do-se o re­que­ri­do nas cus­tas pro­ces­suais e ho­no­rá­rios de ad­vo­ga­do.

c) Caso ne­ces­sá­rio, haverá a pro­du­ção de pro­vas tes­te­mu­nhal, do­cu­men­tal e pe­ri­cial.

Valor da cau­sa: R$…………………………

N. Termos,

P. E. de­fe­ri­men­to.

_____________, _____/________/ 200__

__________________________________

Adv.

Faça o Download Gratuito deste modelo de Petição

Compartilhe

Ação não permitida

Categorias
Materiais Gratuitos