Dispensa Discriminatória do Trabalhador Homossexual

03/06/2021

Sumário

Hodiernamente o pós-positivismo, ou neoconstitucionalismo, dá especial valor aos princípios constitucionais, de modo a proceder à conformação de todo o ordenamento jurídico. Com efeito, a dignidade da pessoa humana, fundamento da República (art. 1º, III, CRFB) surge como verdadeiro vetor axiológico de todo o arcabouço jurídico, de modo que sua força se expande para além das relações entre o cidadão e o Estado, atingindo também as relações entre os particulares (eficácia horizontal dos direitos fundamentais). Nesse foco, em que a dignidade da pessoa humana ganha relevo, que a discussão acerca do caráter discriminatório da dispensa motivada pela opção sexual do trabalhador deve ser analisada. Cumpre destacar que o empregador além de importante peça de distribuição de renda é, também, elemento essencial para gradativa transformação social, devendo incentivar o respeito a diversidade. Nesse sentido, vamos analisar um caso hipotético, no qual um determinado shopping center contratou um trabalhador para a função de Papai Noel no final  do ano, com o intuito de atrair mais consumidores. Porém, alguns lojistas descobriram que o trabalhador era homossexual e solicitaram à administração do shopping que o dispensassem, alegando proteção dos interesses das crianças. Assim, atendendo aos pedidos dos lojistas o trabalhador foi dispensado sem justa causa, recebendo devidamente seu acerto rescisório. No caso em tela, observa-se que a dispensa decorreu exclusivamente pelo fato do descobrimento da opção sexual do trabalhador homossexual, não havendo qualquer indício ou fato que refletisse no efetivo desempenho das funções para a qual foi contratado. Desse modo, o empregador ao dispensar o trabalhador pelo fato de ser homossexual atua em desrespeito ao princípio da não discriminação (art. 2º, IV, CRFB; art. 1º, da Lei 9.029/95), bem como atenta contra a dignidade do trabalhador (art. 1º, III, CRFB) ferindo seu direito a intimidade e sua honra (art. 5º, X, CRFB). Caracterizada a dispensa como discriminatória (Lei n. 9.029/95), o empregador será responsável por indenizar o trabalhador pelos danos morais sofridos (art. 186 e 927, CCB) e, alternativamente, a critério do trabalhador, a reintegração com ressarcimento integral do período de afastamento ou o valor do período de afastamento em dobro (art. 4º, Lei 9029/95). Por fim, considerando que o contrato, no caso proposto, foi realizado por prazo determinado, período natalino, o magistrado não deverá deferir a reintegração nos casos em que já decorrido o período correspondente ao inicialmente contratado, devendo observar o pagamento indenizado em dobro.

Automatize suas demandas jurídicas para seu escritório lucrar 10x mais

teste de 14 dias

Automatize suas demandas jurídicas para seu escritório lucrar 10x mais

teste de 14 dias
Você também pode gostar
03/06/2021