Saiba como adotar o Marketing de conteúdo na advocacia

Dica para Leitura
December 28, 2018
E-book Seja Especialista em Gestão Legal no Brasil
January 3, 2019
Show all

Saiba como adotar o Marketing de conteúdo na advocacia


Uma nova tendência está crescendo dentro do mercado dos escritórios de advocacia. Muitos juristas e profissionais da área do Direito estão fazendo uso de estratégias de marketing conteúdo com o intuito de aumentar a sua notoriedade e autoridade dentro do ambiente da internet. 

Por essa razão, é necessário que as pessoas interessadas nesse tipo de produção de conteúdo tenham em mente os itens necessários para produzir estratégias sustentáveis, levando em consideração os valores de uma área em que o código de ética e a comunicação empresarial estão sempre atuando em conjunto.

Nesse sentido, o texto abaixo irá falar sobre os métodos utilizados para se aplicar o marketing de conteúdo no setor jurídico, abordando as vantagens dessas ações, entre outras informações.

O que é o marketing de conteúdo

Essa área do marketing integra a série de estratégias que existem dentro do marketing digital. Portanto, o marketing de conteúdo pode ser resumido na prática de se publicar conteúdos considerados relevantes ou interessante por parte de usuários da internet. Mas, qual seria a vantagem disso?

Ao gerar conteúdos, tais como textos e vídeos, os donos de escritórios de advocacia conseguem atrair pessoas para conhecerem os seus sites. Caso os visitantes sejam leigos em assuntos relacionado ao Direito, com acesso a esse conteúdo eles podem, além de tudo, interessar-se  pelos serviços advocatícios. 

Isso transforma indivíduos desconhecidos em potenciais clientes de um escritório. É válido frisar que o marketing de conteúdo é tão importante para a internet nos dias atuais que os mais variados segmentos do mercado podem utilizá-lo, por exemplo, desde confeitarias até uma empresa de pintura comercial.

As estratégias de marketing de conteúdo, quando aplicadas à área do Direito, recebem o nome de “marketing jurídico”. Este nome não pode se restringir simplesmente ao ato de distribuir cartões profissionais ou de fazer networking em congressos, mas também às atitudes de captação de clientes dentro do ambiente online.

 A importância dessa presença dentro da internet se dá pelo fato de que cada vez mais as pessoas consomem conteúdos e realizam compras dentro de sites. E, para profissionais autônomos do ramo de advocacia, a visibilidade em qualquer meio pode ser bastante favorável aos lucros.

Porque se deve apostar no marketing jurídico

O marketing de conteúdo aplicado ao meio jurídico passou a ter uma importância muito grande para os profissionais desta área. Isso decorre do fato de que tanto o Estatuto da OAB (Ordem de Advogados do Brasil) quanto o Código de Ética da Profissão restringem as ações promocionais que os escritórios de advocacia podem praticar. 

Assim, atitudes como a propagação de comerciais em meios de comunicação de massa, a promessa de resultados instantâneos e positivos e a divulgação de valores dos serviços são práticas vedadas por tais órgãos a respeito da conduta de escritórios de advocacia. 

Essa limitação é justificada pelas autoridades da OAB, as quais afirmam que o Direito é um serviço prestado ao público e que, portanto, não pode e nem deve ser visto como um trabalho mercantil. Tal realidade é reiterada pelo artigo 31 do Código de Ética, o qual afirma que é proibida a “referências a valores dos serviços, tabelas, gratuidade ou forma de pagamento, termos ou expressões que possam iludir ou confundir o público”.

Contudo, apesar de muitas restrições, os escritórios ainda podem alcançar uma visibilidade maior em seus serviços por meio do marketing jurídico, o qual não é proibido por nenhuma instituição. 

Os promotores de conteúdo, entretanto, como é o caso dos redatores freelancers, precisam ficar atentos às condutas vistas como sendo inadequadas, entre as quais é possível citar::

  • A publicação de informações sobre causas pendentes;
  • A divulgação de listas de clientes;
  • A referenciação a cargos já ocupados pelos advogados;
  • A criação de conteúdos com informações enganosas ou errôneas.

 

Como criar conteúdos para o mercado jurídico

Assim como os conteúdos de diversos outros empreendimentos existentes, por exemplo, uma empresa de automação comercial, os conteúdos existentes no mercado jurídico precisam se pensados levando em consideração quatro componentes principais:

  • Para quem será dito?
  • O que será dito?
  • Quando será dito?
  • Onde será dito?

Criando uma persona

Antes de tudo, o escritório de advocacia deve ser capaz de identificar qual é o público que irá consumir os seus conteúdos. Assim, os responsáveis pelos conteúdos precisam estudar e definir a persona tendo o modelo de consumidor ideal para o escritório. Para tal, deve-se utilizar um conjunto de informações que representem essa persona.

 Esses dados podem alcançar aspectos mais básicos, como aqueles presentes na definição do público-alvo, qual engloba o sexo, a classe social, a idade, a localização geográfica, entre outros dados sobre os clientes, e características mais íntimas a respeito do comportamento dos consumidores.

Dessa maneira, a definição de uma persona pode ser feita levando em consideração informações dos clientes como:

  • Com o que trabalham?
  • Quais são os seus hobbies?
  • Quais são os seus sonhos?
  • Quais são os seus gostos?
  • O que os interessam?

Para tornar essa questão ainda mais clara, pode-se fazer uso de exemplos. Assim, o exemplo de uma persona para um escritório de advocacia pode ser: 

“Luciano, de 40 anos, possui uma loja que faz a venda de transformadores. Ele é uma pessoa muito cuidadosa com o seu estabelecimento, fazendo questão de manter a documentação da sua loja em dia. Luciano gosta bastante de tecnologia e de internet, por isso, ele realiza muitas pesquisas dentro do mundo digital sobre diversos assuntos diferentes. Certo dia, um problema na fiação da loja causa um pequeno incêndio, levando à destruição de documentos importantes do estabelecimento”

Tendo em vista o exemplo citado, percebe-se que essa determinada persona possui grandes chances de procurar pelo conteúdo de um escritório de advocacia especializado no assunto para ter conhecimento sobre o que precisa ser feito depois de uma situação dessas.

 

Como desenvolver os conteúdos de marketing jurídico

No caso dos conteúdos desenvolvidos para o setor jurídico, é interessante fazer uso de certas práticas eficientes.

A primeira delas refere-se ao ato de solucionar problemas em cada texto. Afinal, a maior parte dos leitores dos conteúdos de um escritório de advocacia são pessoas que estão passando por problemas e que precisam não só de uma solução, mas de uma resolução sobre a situação que estão passando.

 Portanto, o conteudista do setor jurídico pode citar casos fictícios ou não, contanto que não fique claro que aquilo ocorreu de verdade, como por exemplo, um atendimento a uma empresa que instala  tela de segurança. 

Com isso, pessoas do mesmo segmento desse tipo de empreendimento ou que estão passando pelo problema citado se interessaram pelo assunto, procurando por respostas concretas, viáveis e objetivas.

Além disso, algo que deve ser muito priorizado dentro desses conteúdos é a linguagem utilizada. Isso porque muitos juristas ou conteudistas acreditam que, por estarem escrevendo um texto jurídico, eles precisam fazer uso da mesma estrutura acadêmica presente no setor. 

Tornar a comunicação complexa pode afastar pessoas que possuem problemas simples, como, por exemplo, um pequeno comediante que precisa legalizar o seu negócio de chapa antiderrapante. Portanto, a linguagem usada precisa se adaptar ao tipo de leitor, da mesma maneira como este texto está sendo escrito para um público mais voltado ao setor jurídico.

 

Mantendo a frequência

Produzir e compartilhar conteúdos dentro dos diversos canais digitais existentes dentro da internet é uma forma inteligente de se posicionar como ser atuante dentro de um mercado.

 É por essa razão que os juristas precisam manter uma regularidade em suas postagens, criando publicações constantes e em quantidade boa. Todavia, um dos maiores problemas dentro dessa área é que muitas vezes os problemas podem se repetir e os conteúdos acabam ficando parecidos.

 Portanto, o conteudista deve estar sempre se renovando, carregando um bloco de anotações personalizado para anotar tudo o que foi falado, os próximos conteúdos que serão compartilhados e as suas respectivas datas. 

A inovação dentro desse tipo de ação pode ser algo muito bem vindo, já que o destaque ocorre por meio do diferencial, e não da repetição do que já foi dito.

Dessa maneira, observa-se no texto acima que a preocupação com a imagem de um empreendimento não está presente apenas dentro do mercado comum que se vê durante o cotidiano, como empresas que produzem porta caneta de acrílico, mas também faz parte dos escritórios de advocacia. 

Portanto, apesar das grandes restrições que essa área sobre nos dias atuais, a publicação de conteúdos pode ser uma forma saudável e responsável de se ganhar uma evidência maior. Com isso, um escritório que está começando pode ganhar um impulso inicial muito importante para a consolidação de seus clientes e para um destaque dentre os seus concorrentes.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

QUER FAZER PARTE DA ADVOCACIA DO FUTURO?

Solução completa para gestão do jurídico inteligente

Clique aqui para falar pelo WhatsApp!

Ou ligamos pra você :D