A Prova Ilícita no Processo do Trabalho

DISSÍDIO DE GREVE DOS SERVIDORES CELETISTAS FACE AO JULGAMENTO DO RE 846.854/STF
February 23, 2019
DISPENSA DISCRIMINATÓRIA DO TRABALHADOR HOMOSSEXUAL
February 27, 2019
Show all

A Prova Ilícita no Processo do Trabalho

A Constituição veda no artigo 5º, LVI, as provas obtidas por meios ilícitos. Esta regra, elevada a direito fundamental, serve para garantir o devido processo legal e a dignidade do processo, aplicando-se a todos os ramos do processo, inclusive ao Direito Processual do Trabalho.

A doutrina e a jurisprudência apresentam três correntes sobre a proibição da prova ilícita: a vedação total, a permissiva e a intermediária.

Enquanto as duas primeiras correntes, ou vedam totalmente, ou aceitam de forma quase irrestrita, a terceira corrente adota a teoria da proporcionalidade para respeitar a regra constitucional e afastá-la, excepcionalmente, nos casos em que houver conflito de outros princípios fundamentais de mesma magnitude utilizando a regra da ponderação.

A regra da proporcionalidade é a melhor para se admitir a pertinência da prova obtida por meio ilícito, pois nenhuma regra processual é absoluta, devendo ser sopesada em confronto com outro direito fundamental.

Nesse sentido, a jurisprudência trabalhista tem admitido hipóteses de provas obtidas por meio “ilícito”, como, por exemplo, documentos obtidos por furto do empregado, monitoração de e-mails, gravações telefônicas sem consentimento do interlocutor, entre outras.

Vale ressaltar que a gravação telefônica por um dos interlocutores, sem o conhecimento e consentimento do outro, nos casos de defesa contra atos ilícitos pela vítima, foi considerado lícito pelo Supremo Tribunal Federal.

Contudo, o caso é diferente quanto a possibilidade de deferimento de interceptação telefônica, a qual é exclusiva do Juiz Criminal, competente da ação principal, como meio de prova em investigação criminal ou processo judicial penal – art. 5º, XII, CRFB c/c Lei 9.296/96.

Assim, o Juiz do Trabalho é incompetente para deferir uma interceptação telefônica, uma vez que não detém competência penal – art. 114, IX, CRFB; ADI 3.684. Porém, produzida a prova perante o juízo criminal competente, poderá o Juiz do Trabalho receber como prova emprestada, atribuindo-lhe o valor que considerar adequado, observado contraditório (art. 372, CPC).

QUER GANHAR PUSH EM DOBRO?

Um presente especial no mês do Advogado!

Clique aqui para falar pelo WhatsApp!

 

TESTE 14 DIAS GRÁTIS